Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Flamengo lança nota de repúdio por ofensa e promete ir à Justiça

Presidente do clube carioca deixou reunião alegando que foi xingado por mandatário da Federação de Futebol do Estado do Rio

Estadão Conteúdo

31 de janeiro de 2015 | 10h32

A relação entre o Flamengo e a Federação de Futebol do Estado do Rio (Ferj) não está nada boa neste início de ano. Em meio à polêmica sobre os preços dos ingressos para o Campeonato Carioca, o presidente flamenguista, Eduardo Bandeira de Mello, deixou uma reunião na sexta-feira alegando que foi ofendido pelo mandatário da entidade, Rubens Lopes. E neste sábado, o clube se manifestou através de nota oficial, na qual repudiou o fato.

"O Clube de Regatas do Flamengo repudia de forma veemente a conduta ofensiva, destemperada, incivilizada e grosseira do Sr. Rubens Lopes, presidente da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro", diz a nota.

Eduardo Bandeira de Mello deixou a reunião na sede da Ferj mais cedo, profundamente irritado, e justificou a atitude dizendo que Rubens Lopes havia ofendido sua mãe com "palavras de baixo calão". Além disso, o mandatário da entidade teria sugerido para o dirigente flamenguista fazer coisas impublicáveis com uma nota oficial emitida mais cedo, também na sexta, em conjunto com o Fluminense.

"Durante a reunião do Conselho Arbitral realizada na sede da Ferj na tarde desta sexta-feira, dia 30 de janeiro de 2015, em uma lamentável demonstração de desequilíbrio emocional para exercer o cargo que ocupa, atacou de maneira rasteira e infeliz a honra do presidente Eduardo Bandeira de Mello, e ofendeu a instituição afirmando que o clube está ''roubando'' os outros filiados da Ferj através do seu programa de sócio-torcedor", garantiu o clube.

O Flamengo ainda reiterou a reclamação pela forma como Rubens Lopes se pronunciou. "O presidente da Ferj apelou para as mais sórdidas ofensas, com o uso indiscriminado de palavras de baixo calão, totalmente inadequadas às discussões em alto nível que o Flamengo tem tentado estabelecer com a entidade, clubes coirmãos, a imprensa, governo e a sociedade civil em geral."

Por fim, o clube prometeu tomar as atitudes cabíveis contra o dirigente da Ferj. "A falta de educação, a imprudência verbal e os maus modos são inaceitáveis e revelam um modelo de administração do esporte profissional que já não encontra espaço no mercado ou apoio da sociedade. O Flamengo e o presidente Eduardo Bandeira de Mello trilharão os caminhos da Justiça por uma completa reparação moral, criminal e desportiva em relação aos danos que sofreram."

Na última sexta, Flamengo e Fluminense divulgaram nota dizendo que vão disputar o Campeonato Carioca de 2015 sob protesto, mas não se interessam mais em participar de futuras competições organizadas nos mesmos moldes. Eles criticaram a "postura ditatorial" da Ferj e, sem citar explicitamente o Vasco, fizeram referência à relação entre Rubens Lopes e Eurico Miranda ao citar os "parceiros íntimos" do presidente da Ferj.

Eleito para a presidência do Vasco, Eurico conseguiu convencer a maioria dos clubes da primeira divisão do Campeonato Carioca a tabelar o preço dos ingressos do torneio, com entradas expressivamente mais baratas do que as praticadas no Brasileirão. Fluminense e Flamengo se sentiram prejudicados, porque os valores não cobrem os custos de operação do Maracanã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.