Reprodução/Premiere
Reprodução/Premiere

Flamengo levará Gerson para registrar ocorrência de injúria racial em delegacia

Vice-jurídico e geral do clube afirmou que o jogador vai à Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) e que disse que entrará com representação contra Mano Menezes e Ramires no STJD

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de dezembro de 2020 | 11h48

O Flamengo vai entrar com uma representação no STJD contra o jogador Ramirez, do Bahia, e o técnico Mano Menezes, em razão do suposto caso de racismo contra o meia Gerson, do Flamengo, ocorrido no domingo, durante o jogo no Maracanã pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro. O anúncio foi feito por Rodrigo Dunshee de Abranches, vice-presidente geral e jurídico do clube da Gávea. O Rubro-Negro também irá levar o jogador para registrar ocorrência na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) nesta segunda-feira, 21.

"O Flamengo vai dar entrada no STJD com uma representação contra o Ramirez e outra contra o Mano Menezes. A nossa ótica é que no momento em que o Mano foi comunicado pelo atleta em claro e bom tom que ele tinha sofrido uma injúria racial, o técnico não deveria ter falado mais nada. O Mano deveria ter respeitado o atleta e ter parado porque por muito menos os jogadores do Paris Saint-Germain saíram de campo", disse o dirigente em entrevista ao SporTV, referindo-se ao episódio que ocorreu na Liga dos Campeões. "Nesse caso foi uma ofensa racial direta e o Mano mostrou que está desconectado da nossa sociedade, dos novos tempos. A gente tem que banir o racismo da nossa sociedade", acrescentou.

Abranches revelou que vai se encontrar com Gerson ainda nesta segunda-feira e o atleta irá registrar denúncia contra Ramirez na Decradi. É o jogador que tem que fazer a representação de injúria racial porque se trata de um crime de ação penal pública condicionada à representação do ofendido.

"O Flamengo está prestando todo o auxílio possível ao Gerson. Não queremos deixar o atleta sozinho neste momento. Entramos em contato com a delegacia de crimes raciais (DECRADI) e estamos combinando de ir ao encontro do atleta nesta segunda-feira, por volta do meio-dia, para que ele represente contra essa injúria racial", informou o dirigente.

O dirigente também disse que vai em busca de testemunhas e imagens para fortalecer a denúncia. "Nós vamos saber se existem testemunhas. Se é palavra de um contra o outro. Por enquanto, não tem imagens que revelem claramente a ofensa, mas como tinha gente do lado, vamos procurar saber", afirmou.

"A conduta da vítima é importante. O trabalho da polícia vai ser aquilatar as provas e ver os pesos que elas têm. É sempre difícil quando é uma palavra de um contra o outro, mas não sei se é esse o caso. Se tiver a prova oral é muito importante. Se não tiver, é mais difícil", explicou o vice-jurídico e geral do Flamengo.

Após a acusação, Ramirez foi afastado do Bahia e Mano Menezes deixou o clube baiano, que afirmou que o jogador colombiano nega veementemente as acusações, mas diz entender que a palavra da vítima é preponderante em casos dessa natureza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.