Flamengo quer provar que está melhor

O Flamengo quer mostrar nesta quinta-feira contra o Juventude, às 20h30, no Estádio Luso-Brasileiro, que a vitória sobre o Vasco, na última rodada do Campeonato Brasileiro, não ocorreu por acaso. Na avaliação de jogadores e do treinador Celso Roth, a equipe rubro-negra dá sinais de evolução na parte tática e técnica, o que aumenta o otimismo de todos em não deixar o clube retornar à zona de rebaixamento.Mas, embora o clima seja de tranqüilidade, um tropeço em casa trará de volta a crise e a pressão para a demissão de Celso Roth ganhará força entre a torcida e a cúpula do clube. Talvez por isso, o treinador não vai ousar na escalação da equipe. Manterá o esquema 3-5-2, com dois volantes no meio-de-campo: Róbson e Augusto Recife. Com essa formação, o Flamengo vai explorar bastante o apoio dos alas Leonardo Moura e Renato para construir as jogadas, sem expor sua defesa ao rápido contra-ataque do Juventude.O treinador, porém, não quer ver o time rubro-negro acuado, sem dar trabalho ao goleiro adversário. "O Flamengo não pode jogar na retranca, isso não passa na cabeça do torcedor. O clube carrega consigo a história de atuar em casa e buscar a vitória a qualquer custo", declarou.Autor do único gol da vitória sobre o Vasco, o meia Souza faz sua segunda partida com a camisa rubro-negra, mas já sente-se em casa. Ele reconhece não estar no melhor de sua forma física, porém garante que disposição não faltará. "O Flamengo fez um bom clássico no domingo, mas não pode relaxar", disse.Feliz pela oportunidade de voltar a jogar num "clube de massa", Souza elogia a dupla de ataque formada por Jean e Obina, que, segundo ele, pode ajudar o time a reagir no campeonato. "O Obina tem uma força física enorme e o Jean é um jogador de muita velocidade".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.