Arquivo/AE
Arquivo/AE

Flamengo questiona realização do clássico no Engenhão

Time rubro-negro afirma que jogo deveria ser realizado no Maracanã para garantir uma maior segurança

AE, Agencia Estado

19 de outubro de 2009 | 20h25

A vitória sobre o Palmeiras não apenas colocou o Flamengo entre os clubes que ainda sonham com o título do Campeonato Brasileiro, mas também traz uma preocupação extra para o clássico contra o Botafogo, no próximo domingo, marcado para o Engenhão.    

 

Veja também:

linkPetkovic festeja bom momento aos 37 anos

MASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Como a expectativa é de que o número de torcedores do Flamengo seja superior ao do Botafogo no estádio, apesar da divisão garantir metade dos ingressos para cada torcida, questões de segurança surgem. O vice-presidente de futebol rubro-negro, Marcos Braz, julga que jogar no Engenhão é um risco desnecessário e que a partida deveria ser transferida para o Maracanã.

"Não queríamos falar sobre isso antes do resultado contra o Palmeiras. Acho uma temeridade marcar este jogo no Engenhão. Será um clássico duro, não tem por que não ser transferido para o Maracanã", alegou Braz nesta segunda-feira.

"O Flamengo não pode fazer nada, porque o mando de campo é do Botafogo. Volto a dizer: jogamos com qualquer um, em qualquer lugar, na maior tranquilidade. O problema não é técnico, mas sim com a nossa torcida", continuou o dirigente rubro-negro.

Para aumentar a preocupação do Flamengo, o Engenhão foi palco de uma grande confusão no último jogo do Botafogo em casa. No empate com o Avaí, pela 29.ª rodada, vários torcedores com ingresso se aglomeraram nos portões do estádio, sem conseguir entrar. Como solução, os portões do Engenhão tiveram que ser abertos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.