Ricardo Moraes / Reuters
Ricardo Moraes / Reuters

Flamengo repudia atos de violência ocorridos no clássico com Botafogo no Engenhão

Torcedores do Botafogo agrediram diversas pessoas que suspeitavam serem flamenguistas 'infiltrados'

Redação, Estadão Conteúdo

08 de novembro de 2019 | 17h41

Por intermédio de uma nota oficial, divulgada nesta sexta-feira, a diretoria do Flamengo repudiou os atos de violência ocorridos no clássico realizado na noite de quinta, no estádio do Engenhão, no Rio de Janeiro, diante do Botafogo, pela 31.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Várias cenas de agressões sofridas por torcedores dentro e fora do estádio antes, durante e depois do jogo foram registradas em vídeos e divulgadas nas redes sociais. Em alguns casos, botafoguenses foram agredidos pela própria torcida do Botafogo. O clube rubro-negro cobrou punição aos responsáveis "pelas cenas de agressão, covardia e vandalismo". De acordo com a polícia, 70 pessoas foram presas.

Além dos três mil ingressos destinados aos flamenguistas, que se concentraram em um setor reservado no Engenhão, foram identificados torcedores do Flamengo infiltrados entre os botafoguenses.

"O Clube de Regatas do Flamengo repudia os atos de violência praticados na noite de ontem (07.11). É inadmissível a paixão do torcedor perder espaço para a intolerância desportiva, tanto dentro quanto fora dos estádios. Vestir a camisa do clube que ama não pode ser sinônimo de medo, e sim de orgulho. O Clube espera que as autoridades competentes identifiquem e punam os responsáveis pelas cenas de agressão, covardia e vandalismo", informou o clube rubro-negro em sua nota oficial.

O Flamengo venceu o jogo por 1 a 0 com o gol de Lincoln, aos 44 minutos do segundo tempo. Com o resultado, o time da Gávea alcançou os 74 pontos e manteve a vantagem de oito para o Palmeiras, o segundo colocado. Neste domingo, às 18 horas, pela 32.ª rodada, o time do técnico português Jorge Jesus enfrenta em casa o Bahia, no estádio do Maracanã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.