Alexandre Vidal/Flamengo
Alexandre Vidal/Flamengo

Flamengo vê gol no fim do 1º tempo como determinante para derrota de virada

Diego e Rodrigo Caio lamentam derrota e admitem jogo ruim do rubro-negro contra a LDU

Redação, Estadão Conteúdo

25 de abril de 2019 | 00h22

Mesmo tendo entrado somente no intervalo no lugar de Arrascaeta, o meia Diego recebeu das mãos de Éverton Ribeiro a tarja de capitão. Por conta disso, e pelo respeito junto aos companheiros, coube a ele falar logo após a derrota, por 2 a 1, de virada, nesta quarta-feira, para a LDU, em Quito, no estádio Casa Blanca, em uma altitude de 2.800 metros. Ele acha que o time foi castigado por não ter virado o primeiro tempo na frente.

"Pagamos caro por isso, porque tínhamos condições de até ampliar o placar no primeiro tempo. No segundo tempo não conseguimos manter a posse de bola no campo do adversário", explicou o meia, descartando usar a elevada altitude de Quito como justificativa para a derrota.

Para ele, porém, o que importa é focar na última rodada da Libertadores, quando o time vai decidir a passagem de fase contra o Penãrol, em Montevidéu, pela sexta e última rodada do Grupo D. Os dois times têm os mesmos nove pontos, mas a equipe carioca leva vantagem no saldo de gols: 6 a 2. O Flamengo joga pelo empate, depois de desperdiçar a chance de antecipar a classificação com uma igualdade na Bolívia. O jogo decisivo vai ser em 8 de maio.

O problema, agora, é que a LDU ganhou força ao vencer e chegar aos sete pontos, sendo que na próxima rodada vai receber o lanterna San José, que surpreendeu ao vencer em casa, por 3 a 1, o Peñarol, e chegar aos quatro pontos. "Poderíamos sair daqui de uma forma melhor, já classificados. Não deveria ser desta forma, mas vamos ao Uruguai para buscar a nossa vaga", completou Diego.

Na entrevista coletiva, além do técnico interino Leomar, apareceu o zagueiro Rodrigo Caio. Como Abel Braga cumpriu suspensão, ele viu o jogo de um camarote e nem pôde comparecer aos vestiários. Coube a Leomar explicar o que aconteceu em campo.

"Não podíamos ter levado o gol no final do primeiro tempo, aos 47 minutos. Principalmente da forma como ocorreu, porque saiu de um chutão lá de trás. No segundo tempo, o time deles cresceu e não rendemos o esperado", analisou. Não citou nenhum jogador, mas vários deles estiveram abaixo do nível esperado como Arrascaeta e Gabriel.

Para Rodrigo Caio, o mau estado do gramado prejudicou a atuação do Flamengo, escalado com jogadores mais técnicos e habilidosos. "Isso atrapalha, mas acho que falhamos mesmo na marcação no primeiro gol deles", ressaltou.

O goleiro Diego Alves, com dores nas costas, foi substituído na parte final do jogo por Júlio César, sentindo fortes dores nas costas. Ele vai ser mais bem avaliado na volta ao Rio.

No próximo sábado, o Flamengo estreia no Campeonato Brasileiro diante do Cruzeiro, às 21 horas, no Maracanã.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFlamengoDiegoRodrigo Caio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.