Flamengo vence e fica perto do título

Foi uma festa rubro-negra no Estádio Almeidão. Uma sucessão de falhas - e de infelicidades - da defesa do São Paulo, aliadas ao talento de Edílson, Petkovic e Gamarra, deixaram o Flamengo a um passo do título da Copa dos Campeões e da vaga à Libertadores da América de 2002. A vitória por 5 a 3 foi justa. Edílson marcou dois gols. Beto e Reinaldo, um gol cada. Rogério Pinheiro, contra, fez o quinto do Flamengo. Pelo São Paulo, o artilheiro Luís Fabiano marcou dois. Rogério Pinheiro marcou um gol de cabeça, em cobrança de escanteio.No segundo e decisivo jogo, quarta-feira, em Maceió, o time de Zagallo poderá perder por até um gol de diferença. O São Paulo terá de vencer por três gols. Uma vantagem de dois levará a decisão para os pênaltis.O time de Zagallo adiantou a marcação no meio-de-campo e dominou o primeiro tempo. Mesmo com três volantes em campo - Alexandre, Douglas e Fábio Simplício -, a defesa do São Paulo jogou aberta e desprotegida. Um retrato do primeiro tempo: com quatro minutos de partida, o goleiro Rogério Ceni já tinha feito duas grandes defesas, o zagueiro Jean havia cometido uma falha grave e Rogério Pinheiro levara um cartão amarelo.O primeiro gol do jogo aconteceu aos 14 minutos. O zagueiro flamenguista Gamarra foi ao ataque e tocou para o centroavante Reinaldo, que driblou Rogério Ceni e passou para Edílson, na pequena área, sem marcação, tocar a gol. Dois minutos depois, o São Paulo empataria o jogo. O lateral-esquerdo Gustavo Nery foi lançado na ponta-esquerda e cruzou para Luís Fabiano tocar para o gol.Reinaldo marcaria 2 a 1 aos 25 minutos, de cabeça, aproveitando uma sobra de bola após bicicleta de Edílson. Mais uma vez, a defesa do São Paulo deixou dois jogadores flamenguistas livres na área. O terceiro gol do Flamengo sairia dos pés de Beto, aos 36 minutos, após passe de Reinaldo. Ainda no primeiro tempo, França perderia uma boa chance para diminuir a desvantagem ao receber a bola próximo à marca do pênalti e tocar nas mãos do goleiro Júlio César.ACUSAÇÕES - Os jogadores do São Paulo deixaram o campo no intervalo de jogo fazendo acusações mútuas. "O professor (Nelsinho Baptista) determinou que todos marcassem e isso não aconteceu", disse Jean, referindo-se ao pedido de Nelsinho para que os atacantes ajudassem a marcação. "O Gamarra avança e ninguém dá combate", reclamou Gustavo Nery.No segundo tempo, Nelsinho trocou alexandre por Carlos Miguel e Souza por Kaká. O time ficou mais agressivo, mas o Flamengo faria 4 a 1 a 12 minutos. Jean tentou cortar um lançamento para Edílson, a bola bateu no flamenguista e entrou. Aos 14 renasceriam as esperanças do São Paulo com um gol de cabeça de Rogério Pinheiro, em jogada de escanteio. Carlos Miguel perdeu duas oportunidades de gol, aos 19 e 21 minutos. Em outra cobrança de escanteio, aos 26 minutos, Luís Fabiano fez 4 a 3, de cabeça. O São Paulo pressionava e poderia chegar ao empate quando, num contra-ataque, aos 34 minutos, Edílson recebeu a bola na direita, driblou Jean e chutou cruzado. Rogério Ceni espalmou para o centro da área. A bola bateu em Rogério Pinheiro e entrou: 5 a 3.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.