Flamengo vence Vasco com gol de Souza

Fracassou a intervenção branca de Romário no comando técnico da equipe do Vasco. Ele ?sugeriu - e foi acatado - a escalação de cinco jogadores para o clássico deste domingo com o Flamengo, em Volta Redonda. Otreinador Dário Lourenço não quis contestá-lo, viu seu time mais umavez perder no Campeonato Brasileiro e pediu demissão logo depois dapartida. O Rubro-Negro venceu por 1 a 0, num belo gol do estreante Souza, em chute de fora da área, e deixou a zona de rebaixamento da competição.O Vasco permanece entre os últimos e sem muitas perspectivas para sair da crise: vai enfrentar nas próximas rodadas Santos e Corinthians. Uma coisa é certa em São Januário: o presidente do clube, Eurico Miranda, continuará proibindo entrevistas de jogadores. Ele estabeleceu a norma há alguns dias, com o objetivo de detectar "qual o problema do Vasco".Vários torcedores vascaínos parecem seguir na contramão da diretoria e apontam o próprio Eurico Miranda como o problema do clube. Novas manifestações estão previstas para São Januário, que teve os muros pichados semana passada. "Não quero que ninguém fale com a imprensa e ninguém vai falar", repetiu Eurico ontem, nervoso com a nova derrota do Vasco.O Flamengo não apresentou um futebol mais vistoso nem melhor organizado taticamente para vencer o rival. Não fosse a categoria de Souza, num lance isolado, e o Rubro-Negro continuaria a fazer companhia ao Vasco na área de descenso do Brasileiro.O que mais chamou a atenção no clássico, além do gol de Souza, foram duas falhas grotescas do zagueiro Júnior Baiano. Primeiro, ele tentou dominar a bola no peito num cruzamento de Róbson Luiz, mas perdeu o equilíbrio e por pouco Alex Dias não fez o gol. Mas o ?melhor? estava por vir minutos depois, em outro ataque do Vasco.Júnior Baiano veio socorrer Henrique, que errara na tentativa de interceptar uma jogada do Vasco dentro da área. Quando todos esperavam que Baiano chutasse a bola para bem longe, o ex-zagueiro da seleção tocou de trivela para trás. O goleiro Diego, tomado de susto, nem se mexeu. Parecia antever o pior. Quase, Júnior Baiano marcava outro gol contra, com estilo, assim como ocorreu em jogo recente contra o São Paulo.Após o lance, ele olhou para cima e pareceu resmungar. Recebeu a solidariedade de alguns colegas de time e voltou a se concentrar na partida. Na volta do intervalo, Júnior Baiano explicou o que havia acontecido: o problema era a chuteira, cujo par logicamente foi trocado.No segundo tempo, por via das dúvidas, ele preferiu afastar a bola da área do Flamengo usando a cabeça. Saiu poucas vezes jogando com os pés.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.