Carl de Souza/AFP
Carl de Souza/AFP

Flamengo vive impasse com Gabigol e sonda Cavani e Diego Costa como substitutos

Contrato de empréstimo perto do fim e elevada pedida da Inter da Milão fazem clube carioca pensar em alternativas

Redação, O Estado de S. Paulo

28 de novembro de 2019 | 16h12

A glória pelos títulos, o excelente momento no Rio e o carinho da torcida do Flamengo pelo atacante Gabriel talvez estejam com os dias contados. A Inter de Milão não pretende renovar o contrato de empréstimo do jogador com o clube carioca e muito menos aceita receber menos de R$ 163 milhões pela venda. Diante do impasse, a diretoria rubro-negra já se movimenta para buscar um substituto de peso e avalia nomes como Cavani e Diego Costa

Artilheiro e campeão da Copa Libertadores e do Campeonato Brasileiro, Gabigol só tem contrato válido com o Flamengo até dezembro e nenhuma garantia de continuidade. Pelo contrário. A Inter aguarda o retorno do brasileiro para poder negociá-lo com outras equipes da Europa interessadas. "O empréstimo acaba no fim de dezembro. Depois disso, vamos avaliar cuidadosamente o que fazer com ele. Dificilmente ele fará parte do nosso projeto. Ele tem várias propostas e nós vamos avaliar tudo com calma com o jogador", disse o diretor executivo do Internazionale, Giuseppe Marotta, ao canal Sky Sports Itália.

Curiosamente, o sucesso no Flamengo dificultou as tratativas em manter Gabriel no time. Meses atrás o clube iniciou o contato com a Inter para efetivar a compra do jogador. Nas conversas preliminares, a proposta apresentada aos italianos foi de cerca de R$ 75 milhões por 80% dos direitos econômicos. O acordo não avançou. Depois disso o jogador só se valorizou em campo. Decidiu a Libertadores, marcando dois gols na final contra o River Plate, é artilheiro do Brasileirão. Isso fez o clube milanês bater o pé em sua pedida.

O próprio Gabriel desconversa quando é questionado sobre seu futuro e cobra foco nos compromissos do time. "A gente está vivendo um ano maravilhoso, temos um Mundial ainda para jogar. O Flamengo é um clube enorme. Quem sou eu para me colocar no meio disso? Temos um Mundial pela frente, vamos focar nisso", disse o jogador no último domingo.  

A temporada de 40 gols em 59 jogos fez Gabigol se transformar em uma febre no Rio. A cada jogo no Maracanã, os flamenguistas carregam cartazes com a frase "Hoje tem gol do Gabigol" ou se transformam em sósias do atacante. O cabelo descolorido, a barba e a pose utilizada para comemorar gols viraram marcas de uma torcida que vive um ano intenso. Gabigol não é o principal jogador do time, mas é um deles, sem dúvida. Fazedor de gols, ele recuperou sua alegria na Gávea depois de momentos ruins na Europa. 

A idolatria no Rio contrasta com o temor de voltar para a Europa, onde nunca se deu bem. O jogador revelado pelo Santos deixou o Brasil em uma transferência de quase R$ 100 milhões em 2016. Na primeira temporada na Inter de Milão, Gabigol disputou dez jogos, fez só um gol e nunca conseguiu se adaptar. Teve até chiliques ao ser substituído. O clube italiano decidiu emprestá-lo ao Benfica, em 2017

No futebol português ele também não foi bem. Foram cinco partidas apenas, um gol e muitas dúvidas sobre o motivo do novo fracasso. "Gabriel é um jogador de qualidade e tem facilidade para fazer gols quando aparece na cara do goleiro. Mas há contextos e momentos na vida de um jogador, na vida dos clubes, contextos até sociais que podem não ser os mais adequados. Eventualmente, em um outro momento, ele poderia ter apresentado outro rendimento", disse em 2018 o então técnico do Benfica, Rui Vitória.

A solução de Gabriel foi voltar ao Santos em janeiro do ano passado para cumprir um novo contrato de empréstimo de uma temporada. Deu muito certo. O atacante foi o artilheiro do Campeonato Brasileiro de 2018, com 18 gols. Com o futebol resgatado, seguiu para o Flamengo onde se tornou ídolo. Não seria demais, pelos gols, conquistas e simpatia, chamá-lo de o novo "Rei do Rio", posto que já foi ocupado por Romário e Renato Gaúcho.

Substituto

O Flamengo acompanha a situação de Gabigol com a Inter enquanto se movimenta no mercado para procurar um possível substituto. A diretoria vê como uma das oportunidades trazer o uruguaio Edinson Cavani, do Paris Saint-Germain. O jogador tem contrato somente até o meio do ano e acena com a possibilidade de deixar a França. O outro interesse é por Diego Costa. O brasileiro naturalizado espanhol é ídolo do Atlético de Madrid.

Quem pode ser um aliado na negociação com Diego é o lateral-esquerdo Filipe Luis. O jogador do Flamengo foi companheiro do atacante durante várias temporadas no futebol espanhol e mencionou em entrevista ao site da Libertadores vontade de voltar a atuar ao lado do companheiro. "Ele é o jogador ideal para o Flamengo, o estilo de jogo dele combina com o do Flamengo. Vai cair nas graças da torcida rapidamente. Espero estar aqui para viver esse sonho. Vai ser muito legal", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.