Flamenguistas nem saíram do hotel

A crise social na Argentina provocou o adiamento da partida entre San Lorenzo e Flamengo, que deveria ter sido realizada na noite desta quarta-feira, para decidir o título da Copa Mercosul. O jogo ainda não tem nova data e pode até ficar para o ano que vem.Mas, se depender do Flamengo, nem será realizado. O superintendente de futebol Walter Srour afirmou em Buenos Aires que o clube iria propor ao San Lorenzo que os dois times fossem declarados campeões e com isso dividissem os US$ 4 milhões de prêmios (US$ 3 milhões seriam pagos pela Confederação Sul-Americana de Futebol ao campeão e US$ 1 milhão ao vice).A delegação do Flamengo estava dentro do ônibus para deixar o hotel Marriot em direção ao estádio Nuevo Gasometro quando soube do adiamento da partida. Eram 18h30 em Buenos Aires (19h30 no Brasil).Segundo uma nota oficial divulgada pelo Flamengo, o motorista aguardava apenas a chegada do presidente Edmundo Santos Silva e do vice-presidente de futebol Walter Oaquim para partir.O aviso de que não haveria jogo e todos deveriam descer do ônibus partiu dos seguranças argentinos que trabalham para o Huracán - um clube da Primeira Divisão argentino - contratados pelo Flamengo para proteger a equipe. "O ônibus não pode sair. O governo decretou estado de sítio e o jogo foi cancelado", gritavam.Às 18h50, o presidente Edmundo Santos Silva entrou em contato com a assessoria de imprensa do clube e pediu para que as famílias dos jogadores e dirigentes que estavam em Buenos Aires fossem avisadas de que estava tudo bem com a delegação."Está tudo bem com o Flamengo e os jogadores estão em seus quartos. Eles desceram calmamente do ônibus e não houve nenhum problema", disse o presidente.Segundo Walter Oaquim, não houve nenhum tumulto em frente ao hotel que recebeu a delegação flamenguista.A decisão de adiar a partida foi tomada pela Confederação Sul-Americana de Futebol, que chegou à conclusão de que o caos que tomou conta da capital argentina colocava em risco a segurança dos torcedores e dos dois times.O dirigente do San Lorenzo Gustavo Miele, filho do presidente Fernando Miele - que deixará o cargo no final do ano, porque foi derrotado por Alberto Guil na eleição realizada sábado passado - foi quem recebeu a notícia e a passou para sua equipe.Cerca de 50 mil pessoas eram esperadas para acompanhar a partida no Nuevo Gasometro, porque o San Lorenzo vive a expectativa de conquistar o primeiro título internacional de sua história.O estádio do San Lorenzo fica numa área em que há muitas favelas e onde houve saques a lojas e supermercados durante o dia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.