Flu bate o Fla em jogo com maior público do Brasileirão

O público de 73.616 pessoas no Maracanã viram Somália e Thiago Neves marcar os gols da vitória

Sílvio Barsetti, Estadão

07 de outubro de 2007 | 20h50

O Fluminense interrompeu a série de bons resultados do Flamengo no Maracanã e impôs ao rival uma vitória expressiva, por 2 a 0, num jogo de pouca técnica - o destaque foi o atacante Somália - e que marcou a quebra do recorde de público no Campeonato Brasileiro: 61.042 pagantes. O Tricolor carioca pulou para os 47 pontos e o Flamengo, estacionado nos 40, voltou a correr risco de rebaixamento - está a apenas três pontos do 17.º colocado, o Corinthians.  Veja também: Classificação Calendário / Resultados Show à parte coube as duas torcidas, que fizeram a diferença do clássico. A do Flamengo, apesar da derrota, saiu do Maracanã cantando o hino do clube. Em campo, os jogadores dos dois times erravam passes, finalizavam mal e pareciam nervosos. Houve várias situações de troca de empurrões entre os atletas e o árbitro Gutemberg Fonseca, omisso, preferiu deixar o jogo correr solto. A falsa impressão de que a partida justificaria a grande presença de público - ao todo, foram ao estádio 73.616 pessoas - se deu no primeiro ataque do Fluminense. Alex Dias cruzou da direita e Somália, desajeitado, completou com pouca força. O goleiro Bruno falhou no lance. Era 1 minuto de jogo. O Flamengo tentou reagir na base da empolgação. Não lembrava nem de longe a equipe aplicada que derrotou o São Paulo na semana passada. O zagueiro Fábio Luciano se atrapalhava a todo instante. E no ataque, Souza, mais uma vez, decepcionava os rubro-negros. Ele até que se esforçava. O problema, talvez incorrigível, é a falta de intimidade de Souza com a bola. Foi facilmente marcado e não deu muito trabalho à zaga do Fluminense. A equipe tricolor chegou ao Maracanã sem muita pretensão. Já classificado para a Taça Libertadores de 2008, por ter vencido a Copa do Brasil, e praticamente sem chances de conquistar o Brasileiro, o Fluminense teve o mérito de atuar com garra, sob o comando do meia Thiago Neves, habilidoso e um pouco egoísta nos contra-ataques. Flamengo2Bruno; Leonardo Moura, Fábio Luciano, Ronaldo Angelim e Juan; Rômulo (Hugo Colace), Jailton (Léo Medeiros    ), Cristian e Ibson; Toró (Kayke) e SouzaTécnico: Joel SantanaFluminense0Fernando Henrique; Gabriel, Thiago Silva, Luiz Alberto e Júnior César    ; Fabinho, Arouca (Cícero), Romeu     e Thiago Neves; Alex Dias e Somália (Soares)Técnico: Renato GaúchoGols: Somália, a 1 minuto do primeiro tempo. Thiago Neves, aos 3 do 2º tempoÁrbitro: Gutemberg Fonseca (RJ)Renda: R$ 1.045.504,00Público: 61042 pagantesEstádio: Maracanã No segundo gol, Somália também esteve presente. Recebeu passe de Arouca e chutou cruzado. A bola passou pela zaga do Flamengo e Thiago Neves só teve o trabalho de completar. O goleiro Bruno, que alterna boas defesas com uma certa falta de equilíbrio emocional, não teve culpa na jogada . "Estou muito feliz com o desempenho da equipe. E por ter ajudado o Fluminense a vencer. Minha participação no clássico foi de suma importância", disse Somália.  O Fluminense, agora sexto colocado no Brasileiro, vai ter uma semana livre de treinamentos para enfrentar neste sábado o líder São Paulo, no Maracanã. Não poderá contar com o lateral-esquerdo Júnior César, que vai cumprir suspensão. Recebeu neste domingo o terceiro cartão amarelo. O Flamengo jogará com o Paraná, em Curitiba.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.