Flu deve abrir mão de uma de suas estrelas

A perda do título da Taça Rio para o Vasco já começou a provocar mudanças no Fluminense. Hoje, o presidente da empresa que patrocina o Tricolor, Celso Barros, pediu demissão do cargo de vice-presidente de Futebol do clube. A decisão pode ser a primeira de uma série de providências a serem tomadas pela diretoria. Embora os dirigentes neguem categoricamente, o fracasso no Campeonato Carioca pode levar à rescisão de contrato de pelo menos uma das quatro estrelas da equipe: os meias Roger e Ramon e os atacantes Romário e Edmundo. Na competição, o Fluminense disputou cinco clássicos e não venceu nenhum. Além disso, disputou as decisões dos dois turnos e perdeu ambas. Segundo o técnico Ricardo Gomes, o clube vai priorizar a Copa do Brasil - enfrenta o Grêmio no dia 14 na primeira partida da terceira fase - e a contratação de reforços para o Campeonato Brasileiro. "É um torneio mais difícil que o Carioca. Temos de recondicionar nossos principais jogadores, mas isto não é suficiente. É preciso ter um elenco forte." O meia Roger deve desfalcar o Fluminense por uma semana. O jogador iniciou hoje um tratamento de canal para corrigir fraturas nos dentes e se recupera de uma contusão na gengiva. Ambos os problemas foram decorrentes de um chute do volante Coutinho na derrota do Tricolor para o Vasco, por 2 a 1, na decisão da Taça Rio, domingo. No lance, o atleta desmaiou e perdeu um dente. Roger também fez um exame de ressonância magnética para avaliar se houve algum dano neurológico. "Estou com o rosto inchado e dolorido e tenho dificuldades para me alimentar. Farei uma cirurgia na quinta-feira", disse Roger, frisando que a jogada foi uma fatalidade e que Coutinho não teve culpa. Após a operação, os médicos vão emitir novo laudo sobre as condições do atleta. "Tenho recebido muitas ligações de amigos e palavras de apoio dos torcedores."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.