Flu joga mal, mas despacha Paysandu

Mesmo jogando mal, o Fluminense se classificou para as oitavas-de-final da Copa do Brasil, ao derrotar o Paysandu, por 2 a 0, nesta quarta-feira à noite, no Maracanã. Como vencera no jogo de ida, por 2 a 1, em Belém, o Tricolor carioca poderia ter assegurado a vaga até mesmo com um empate. Agora, o Fluminense vai enfrentar o Juventude-RS. A partida foi prejudicada por causa de falta de energia no estádio e ficou paralisada por quase 15 minutos. O primeiro tempo foi fraco, com poucas jogadas bonitas. O Fluminense criou somente duas chances nesta etapa. Uma com Paulo Isidoro e outra com Roger. Nada mais. O Paysandu, que precisava da vitória, demonstrava aplicação tática e arriscou alguns chutes a gol. O mais perigoso foi de Sandro, de fora da área, aos 35 minutos, em que Murilo defendeu. A torcida tricolor, impaciente com o acúmulo de erros, vaiou a equipe no intervalo. Os protestos surtiram efeito. Logo a 1 minuto do segundo tempo, Fernando Diniz, num chute rasteiro e preciso, abriu o placar. O Fluminense passou a atuar com mais vontade e esteve por marcar outras vezes. O Paysandu descontrolou-se e não assustou. Aos 14 minutos, faltou luz no Maracanã. Depois, o jogo ficou mais cadenciado. A poucos minutos do fim, o atacante Magno Alves foi substituído e reclamou do técnico Oswaldo de Oliveira. Os dois discutiram asperamente. Mas, depois, o jogador deixou o banco de reservas para pedir desculpas ao treinador, à beira do campo. Roger, aos 59 minutos, ainda teve tempo para marcar o segundo gol carioca.

Agencia Estado,

14 Março 2002 | 00h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.