Flu tenta liberar Leandro Amaral para jogar nesta quarta

Atacante está em litígio com o Vasco na Justiça do Trabalho por conta de um contrato assinado em 2007

Agência Estado

24 de março de 2008 | 19h42

Depois da vitória sobre o Vasco, domingo, pela Taça Rio, o Fluminense quer estender o triunfo aos tribunais. De posse de uma liminar, o clube tenta validar a inscrição de Leandro Amaral na Federação de Futebol do Estado do Rio (FERJ) para que o jogador possa voltar a jogar ainda no Campeonato Carioca. Veja também: Vasco luta para melhorar performance nos clássicos Depois de alegar que o prazo de inscrições para a Taça Rio já se encerrou, o presidente da Ferj, Rubens Lopes, deu a entender que Leandro Amaral poderá defender o Fluminense na competição. "Recebemos a liminar e desvinculamos o atleta do Vasco, mas ainda precisamos ouvir a Justiça para saber como proceder. Se determinarem a validação da inscrição anterior [com o Fluminense], assim o faremos. O caso precisa ser analisado e poderá ser levado à Justiça Desportiva", explicou o dirigente. Leandro Amaral está em litígio com o Vasco na Justiça do Trabalho por conta de um contrato assinado no ano passado. A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) já regularizou a situação do atacante, que, portanto, poderá defender o Fluminense pela Libertadores. "Estou em boa forma. Assim que estiver apto, o Renato [Renato Gaúcho, técnico do Fluminense] pode contar comigo. Só preciso recuperar o ritmo de jogo", disse Leandro Amaral, que treinou nesta segunda-feira nas Laranjeiras e vive a expectativa de poder atuar contra o Mesquita, na quarta, pela Taça Rio. Diante da fragilidade do adversário (o Mesquita é o último colocado do Grupo B, com apenas dois pontos), Renato poderá optar por descansar alguns jogadores para o clássico de domingo, contra o Botafogo. EM RECUPERAÇÃOO atacante Dodô reapareceu nesta segunda-feira nas Laranjeiras, depois de sofrer cirurgia para recuperação de uma fratura na face, e já iniciou trabalhos físicos. A expectativa para o retorno dele gira em torno de seis semanas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.