Fluminense critica a arbitragem

O técnico Renato Gaúcho ficou visivelmente aborrecido com a derrota do Fluminense na decisão do Campeonato Carioca, principalmente por causa da arbitragem. "Há algumas rodadas eu disse quem seria o campeão", disse o treinador, referindo-se ao jogo contra ao Vasco na primeira fase, quando teve um pênalti inexistente marcado contra sua equipe, e à denúncia de que havia "armação" na competição. Sobre a atitude do técnico do Vasco, Antonio Lopes, que jogou a bola em Alex Oliveira após falta de Léo Lima, Renato Gaúcho lamentou o fato. "Respeito ele, mas isso não é uma atitude que condiz com o seu currículo", disse.Renato Gaúcho também ficou irritado com as atitudes do meia Léo Lima, que durante o jogo fez algumas jogadas que o treinador considerou como "uma palhaçada". "Ele tentou tirar uma onda, depois sofre uma falta violenta e vai reclamar", avisou.A revolta com a atuação do árbitro Samir Yarak era unanimidade entre os jogadores do Fluminense, embora eles evitassem falar sobre o assunto. Já o vice-presidente de futebol do clube, Marcelo Penha, revelou que a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj) impôs dois nomes para apitar a final: o de Yarak e o de William Neri. "Achamos que o Yarak era o mais experiente", afirmou o dirigente.O volante Marcão, que foi expulso num lance envolvendo o meia Marcelinho Carioca, alegou que não fez nada contra o adversário. "Eu não agredi ninguém. O Marcelinho estava no chão e me empurrou, o juiz não viu e para não expulsar somente ele, também me tirou do campo", disse o jogador.O jovem meia Carlos Alberto, principal jogador do Fluminense, estava abatido com a perda do título. Ele não quis falar sobre a atuação do árbitro, apenas dizendo que "errar é humano".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.