Fluminense derrota LDU pela Copa Libertadores

Cícero marca o gol da vitória; resultado deixa o time momentaneamente na ponta da classificação geral

Leonardo Maia, O Estado de S. Paulo

17 de abril de 2008 | 21h24

Já classificados para a fase eliminatória da Copa Libertadores, Fluminense e LDU, do Equador, se enfrentaram nesta quinta-feira, no Maracanã, pela liderança do Grupo 8. Em um jogo sonolento e morno, o Tricolor venceu por 1 a 0 e assumiu a ponta da classificação geral, com 13 pontos. Mas ainda dependerá dos resultados de Atlas e Flamengo, únicos times que poderão destroná-lo. Veja também: Resultados e Calendário Classificação Mesmo com os desfalques de Thiago Neves (suspenso) e Washington (machucado), o Fluminense foi para cima a partir do apito inicial. Conca perdeu grande chance aos três minutos, ao não alcançar cruzamento de Tartá e cabeceando a sobra na trave. A LDU, poupando a maioria dos titulares, começou a se soltar a partir dos 10 minutos, mas não arrematava ao gol carioca. Aos 19 minutos, Larrea fez bela jogada individual, deixou a zaga tricolor para trás mas chutou à direita do gol de Fernando Henrique, na única finalização equatoriana. O Tricolor tinha mais volume de jogo, mas encontrava dificuldades para entrar na área adversária. As melhores Fluminense1Fernando Henrique; Thiago Silva    , Ygor e Luiz Alberto; Gabriel    , Arouca, David (Maurício), Conca (Roger) e Júnior Cesar; Tartá (Romeu) e CíceroTécnico: Renato GaúchoLDU0Viteri; Calle, Camacho    , Calderón e Ambrosi; Larrea     (Campos), William Araújo, Vaca (Sallas) e Obregón    ; Franklin Salas e Suárez (Guerón)Técnico: Edgardo BauzaGols: Cícero, aos 31 minutos do primeiro tempoÁrbitro: Roberto Silvera (URU)Estádio: Maracanãjogadas eram os cruzamentos, buscando Cícero, que, apesar de meia improvisado como centroavante, é exímio cabeceador. O resultado viria aos 31 minutos, quando Júnior César cruzou forte, Cícero subiu mais que o zagueiro e testou firme, de olhos abertos, para abrir o marcador. Conca, em chute de longa distância, e Junior Cesar, à queima-roupa, quase ampliaram. O troco veio em chute colocado de Araújo, na tentativa de encobrir Fernando Henrique, que cedeu o escanteio, aos 43 minutos. O panorama não mudou na segunda etapa. A LDU não queria jogo e o Fluminense atacava quase que forçosamente, uma vez que o adversário não passava do meio-campo. O time brasileiro seguia com os cruzamentos na área, para fugir ao bloqueio equatoriano na intermediária. Mesmo sem forçar, o Fluminense teve chances de ampliar e o inseguro Viteri conseguiu passar incólume no segundo tempo. Mas eis que o técnico Renato Gaúcho resolveu ofender a torcida tricolor, que compareceu em bom número ao Maracanã, e tirou todos os jogadores de frente, substituindo-os por volantes e zagueiros. O resultado foi uma aridez futebolística de dar dó. O Fluminense cedeu campo à LDU, que não fazia muita questão de aproveitá-lo. O jogo se transformou numa tediosa troca de passes entre intermediárias, e a torcida aproveitou para fazer sua festa, comemorando o primeiro lugar geral na Libertadores, mesmo que ainda não definitivo.

Tudo o que sabemos sobre:
FluminenseCopa Libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.