Fluminense derrota Palmeiras e mantém liderança

Com o apoio da torcida palmeirense, o Fluminense manteve a liderança do Campeonato Brasileiro neste domingo. Em partida disputada em Barueri, o time carioca venceu o Palmeiras de virada, por 2 a 1, e chegou aos 68 pontos, um na frente do Corinthians. Para ser campeão, precisa vencer o já rebaixado Guarani na última rodada.

ANDRÉ RIGUE, Agência Estado

28 de novembro de 2010 | 19h33

Os jogadores do Palmeiras certamente irão querer esquecer o jogo deste domingo em Barueri. Não pelo resultado, mas pela pressão da torcida. As principais organizadas do clube se uniram e exigiram a derrota para o time de Muricy Ramalho. O coro de "entrega" ecoou pela Arena Barueri.

O técnico Luiz Felipe Scolari não deu férias antecipadas para o grupo do Palmeiras, mesmo com a queda na Copa Sul-Americana, e iniciou a partida com oito titulares. Felipão ainda repreendeu alguns torcedores que estavam atrás do banco de reservas, após pedirem para o time entregar. "Não me interessa quem vai ser campeão, vamos jogar igual", afirmou o treinador antes do apito inicial.

O Fluminense entrou em campo o seu "quarteto mágico", formado por Deco, Conca, Fred e Emerson. Porém, foi o Palmeiras que abriu o marcador, para irritação de sua própria torcida. Aos quatro minutos, Dinei acertou chute no ângulo e marcou bonito gol. Na sequência, foi xingado em coro pela torcida.

Mas Dinei não foi o único que sofreu. Deola fez uma partida fantástica e salvou o Palmeiras diversas vezes. E cada vez que impedia um gol do Fluminense, a torcida nas arquibancadas ofendia o goleiro e o ameaçava. A pressão foi tanta que os torcedores arremessaram garrafas d?água dentro de campo.

A Arena Barueri só "explodiu" em alegria aos 18 minutos do primeiro tempo. Após receber passe na esquerda, o lateral Carlinhos chutou cruzado e acertou o ângulo esquerdo de Deola. Um golaço, comemorado por tricolores e palmeirenses.

Muricy perdeu Deco, machucado, que saiu do campo aos 31 minutos - Tartá entrou em seu lugar. O Fluminense continuou melhor e perdeu mais uma grande oportunidade aos 38 minutos, em cobrança de falta de Conca, que Fred finalizou e Deola espalmou. Gum completou, mas o goleiro palmeirense novamente evitou o gol.

Os jogadores do Fluminense retornaram para o segundo tempo já sabendo que o Corinthians ganhava com tranquilidade do Vasco. Assim, se lançaram de vez ao ataque. O Palmeiras, por sua vez, voltou mais relaxado e poucas vezes atacou.

A pressão era grande e resultou em gol aos 13 minutos, quando Emerson avançou pela esquerda e finalizou. Deola mais uma vez fez bela defesa ao espalmar para o meio, mas Tartá pegou o rebote e colocou a bola no canto direito. Um gol novamente comemorado pelos tricolores e alviverdes nas arquibancadas.

Mesmo perdendo a invencibilidade na Arena Barueri, o Palmeiras parou em campo. Nitidamente com medo da cobrança da torcida, os jogadores passaram o resto do segundo tempo com o "freio de mão puxado". Foi tudo o que o Fluminense queria. O resto do jogo foi só festa para a torcida, que sonha em festejar no próximo domingo o título brasileiro.

Ficha técnica:

Palmeiras 1 x 2 Fluminense

Palmeiras - Deola; Márcio Araújo, Maurício Ramos, Leandro Amaro e Gabriel Silva; Pierre, Tinga e Marcos Assunção (Fernando); Luan (Lenny), Kléber e Dinei (Vinícius). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

Fluminense - Ricardo Berna; Mariano, Gum, Leandro Euzébio e Carlinhos; Valencia, Diguinho, Deco (Tartá) e Conca; Emerson (Rodriguinho) e Fred. Técnico: Muricy Ramalho.

Gols - Dinei, aos 4, e Carlinhos, aos 18 minutos do primeiro tempo; Tartá, aos 13 minutos do segundo tempo;

Árbitro - Wilton Pereira Sampaio (DF).

Cartões Amarelos - Pierre, Luan e Tartá.

Público - 11.291.

Renda - R$ 393.596,00.

Local - Arena Barueri, em São Paulo (SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.