Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Fluminense e Vasco voltam neste domingo ao Maracanã

Polêmica sobre posicionamento das torcidas no estádio marcou a semana do clássico

O Estado de S. Paulo

21 de julho de 2013 | 07h30

RIO - O “novo” Maracanã, da iniciativa privada e dos ingressos caros, será reaberto neste domingo para os clubes cariocas. E o clássico entre Fluminense e Vasco começou antes mesmo de a bola rolar, em uma semana marcada por polêmicas e discussões sobre os lugares que cada torcida vai ocupar no estádio durante a partida, que começará às 18h30. A controvérsia foi tão forte que até ofuscou os jogadores das duas equipes, que precisam muito de uma vitória no clássico - ambas estão há três rodadas sem vitória.

A torcida do Fluminense vai ficar no lugar que era dos torcedores vascaínos praticamente desde a inauguração do Maracanã, em 1950. Por esse motivo - que pode soar estranho para os torcedores de outros estados, mas é muito importante para os cariocas -, os clubes não entraram em acordo quanto à divisão da renda, que inicialmente seria meio a meio, mas agora vai toda para o Fluminense e o consórcio Maracanã S.A. - aquele que ganhou do governo do Rio o direito de explorar o estádio pelos próximos 35 anos.

Revoltado com a posição do Fluminense, que não abriu mão do setor localizado do lado direito das tribunas de imprensa (que agora é dos torcedores tricolores por contrato), o presidente do Vasco, Roberto Dinamite, chegou a pedir aos seus torcedores para boicotar o clássico. Mas, ainda assim, boa parte dos ingressos para vascaínos foi vendida. O técnico Dorival Júnior, que voltou recentemente ao Vasco, ignorou o presidente e convocou a torcida: “Não tenho dúvida de que os vascaínos vão abraçar a equipe novamente.” Ele sabe que seus jogadores, que têm sido muito criticados, sofreriam ainda mais se o Maracanã fosse praticamente todo ocupado por torcedores do Fluminense.

Polêmicas à parte, o jogo vai marcar o retorno de dois veteranos, um de cada lado. No Vasco, Juninho Pernambucano vai reestrear pelo clube após a rescisão de seu contrato com o New York Red Bulls. O meia tinha a ideia de encerrar a sua carreira nos Estados Unidos, mas as coisas não deram muito certo para ele por lá e Juninho decidiu voltar para casa.

No Tricolor, Deco está de volta depois da acusação de doping que o deixou fora de jogos importantes da equipe na temporada, como aqueles que resultaram na eliminação da Libertadores da América.

O técnico do Fluminense, Abel Braga, acredita que os dois jogadores, apesar da idade avançada, vão fazer suas equipes melhorar hoje. “O Vasco ganha muito com a volta dele (Juninho). Do mesmo jeito que o Fluminense ganha com o Deco”, opinou Abel. “O Juninho é um excelente jogador e até domingo eu vou ganhar alguns cabelos brancos por causa das jogadas de bola parada dele.”

Como trunfo no clássico, o Tricolor terá o atacante Fred, que tem a ótima média de 0,81 gol por jogo nas duas versões do Maracanã: 27 gols em 33 partidas. Ele vai voltar ao estádio em que viveu uma enorme alegria ao marcar dois gols na final da Copa das Confederações, que terminou com vitória do Brasil sobre a Espanha por 3 a 0. Fred será uma das maiores atrações de um jogo que marcará a volta ao Maracanã do torcedor carioca, que já sabe como o estádio é no “padrão Fifa” e agora quer descobrir se o nível será mantido nas partidas do Brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.