Fluminense encara Palmeiras pensando em ser campeão

Clube precisa de quatro pontos para chegar ao título e três deles podem vir neste domingo

Leonardo Maia, da Agência Estado

11 de novembro de 2012 | 09h09

RIO - O Fluminense precisa de quatro pontos para ser campeão brasileiro sem depender dos resultados de Atlético Mineiro e Grêmio, segundo e terceiro colocados. Uma vitória sobre o desesperado e pressionado Palmeiras, neste domingo, 11, às 17 horas, em Presidente Prudente (SP), coloca o clube tricolor em posição de conquistar a taça diante de sua torcida no próximo dia 18 contra o Cruzeiro, no Engenhão.

 

Mas pergunte ao técnico Abel Braga e aos jogadores se eles estão relaxados, na expectativa por fazer a festa no Rio de Janeiro com a massa tricolor. Ninguém quer dar sopa para o azar. O objetivo é conquistar o segundo título nacional em três anos o quanto antes.

 

"Claro que não. Queríamos ter vencido o São Paulo (na última rodada) e hoje já seríamos campeões", decretou Abel Braga. "Todo mundo fala de nossa campanha histórica, dos recordes quebrados, mas só faltam quatro rodadas e ainda não fomos campeões. Para você ver a dificuldade do campeonato".

 

Assim, os tricolores torcem para que os atleticanos não passem de um empate na visita a São Januário, no mesmo horário, para encarar o Vasco, que vem de seis derrotas consecutivas. Se a turma das Laranjeiras empatar, uma derrota do Atlético e um empate dos gremistas também levam o caneco para o Rio de Janeiro pela terceira vez nos últimos quatro anos.

 

"Tomara que o título venha no domingo. Nós vamos buscar a vitória e torcer para o Vasco empatar ou ganhar para a gente tirar esse peso das costas e comemorar logo", disse o atacante Wellington Nem. "Sabemos que o Palmeiras está em situação delicada, mas o Fluminense é grande e vai jogar para vencer. Queremos terminar logo com isso o quanto antes", comentou o lateral-direito Bruno.

 

Durante a semana, Abel Braga e a comissão técnica dedicaram especial atenção para preparar os jogadores para o clima hostil que vão encontrar. O temor de violência é grande diante da situação crítica por que passa o rival paulista. O técnico tricolor frisou diversas vezes que sua equipe deve se concentrar em jogar bola e confiar nas medidas tomadas pelos responsáveis pela segurança. "Nossa preocupação é apenas dentro de campo. Fora dele, a segurança é preocupação do clube anfitrião. Vamos procurar fazer nosso jogo", discursou Abel Braga.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.