Lucas Merçon / Fluminense FC
Lucas Merçon / Fluminense FC

Fluminense 'esquece' Brasileiro e pega Peñarol por classificação na Sul-Americana

No primeiro confronto, clube carioca venceu por 2 a 1 e joga com a vantagem do empate

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2019 | 07h59

Com campanhas totalmente diferentes nas duas competições que está disputando, o Fluminense entra em campo nesta terça-feira na que vem se dando bem até agora. Pela rodada de volta das oitavas de final da Copa Sul-Americana, o time carioca enfrenta o Peñarol, às 21h30, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, com a vantagem de ter vencido na ida, no Uruguai, por 2 a 1. Um empate ou até mesmo uma derrota por 1 a 0 o classifica para pegar nas quartas o vencedor de Corinthians x Montevideo Wanderers.

No Campeonato Brasileiro, o Fluminense sofre com uma sequência ruim de resultados e atualmente ocupa a 17ª colocação com nove pontos, dentro da zona de rebaixamento. Fato que, mesmo com a boa campanha na competição continental, deixa o cargo do técnico Fernando Diniz sob risco. Por isso, a ordem nas Laranjeiras é "esquecer" o torneio nacional e focar na Copa Sul-Americana.

Um dos líderes do elenco, o meia Paulo Henrique Ganso concorda que as críticas do torcedores são válidas, mas só por causa dos resultados, não pelo trabalho feito pelo treinador.

"O torcedor tem razão em criticar a falta de resultados, mas o trabalho do time do Fluminense está sendo apresentado. O Fernando Diniz é uma pessoa espetacular, não só como treinador. Pode conversar sobre qualquer coisa. Ele tenta ajudar o jogador para além do campo, além de treinar e ensaiar jogadas. O trabalho está sendo bem feito, com um futebol que todo mundo gosta de assistir. Ele vai nos ajudar a vencer e ter grandes resultados", comentou.

Em campo, uma das cobranças do elenco é por mais efetividade na hora de concluir as jogadas de ataque. É assim que o Fluminense, segundo Paulo Henrique Ganso, poderá vencer o Peñarol nesta terça-feira.

"Eles vêm com uma atenção maior. Na primeira partida, talvez não conhecessem tão bem a nossa forma de jogar. Acho que dessa vez será diferente. Temos que matar a partida. Temos criado muitas oportunidades de gol, mas pecamos no último passe. Assim como foi no primeiro jogo contra o Peñarol. Não tivemos muitas chances, mas matamos a partida", analisou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.