Fluminense joga no Chile em busca de reabilitação

O Fluminense precisa deixar a frustrante derrota para o Grêmio no passado. Nesta quarta-feira, quando enfrenta o Huachipato, a partir das 22 horas, no Chile, o atual campeão brasileiro quer reafirmar sua condição de um dos favoritos à conquista da Libertadores. Se conseguir a vitória, o time carioca assume a liderança do Grupo 8, que neste momento tem todos os quatro times com os mesmos três pontos (o venezuelano Caracas completa a chave).

AE, Agência Estado

27 de fevereiro de 2013 | 07h33

O meia Deco tentou minimizar a pressão sobre o jogo desta quarta-feira. "Não decide nada", garantiu. Mas, depois da derrota para o Grêmio, na semana passada, no Rio, o Fluminense jogou com uma equipe reserva no domingo e só empatou com o Madureira pelo Campeonato Carioca. Assim, busca uma vitória no Chile para se reabilitar. "É claro que uma vitória ajuda muito mais nas contas. Uma derrota complica, mas, no fundo, não decide nada", completou o jogador.

Já o meia Wagner tratou de elogiar o adversário chileno, que ganhou do Grêmio em Porto Alegre na estreia e depois perdeu em casa para o Caracas. "Contra o Grêmio, eles mostraram que sabem defender bem e sair nos contra-ataques. O centroavante (Rodríguez) é muito bom. Vamos colocar em campo o coração na ponta da chuteira para trazer essa vitória", disse o jogador, que deve ficar como opção no banco de reservas do Fluminense.

Além da chance de recuperação para todo o time, o jogo tem tudo para ser especial para Thiago Neves. Desde que se medicou por conta própria e, por isso, teve de ser cortado da estreia do time na Libertadores, o meia vem passando por momento conturbado no Fluminense. "Nada melhor do que um jogo para mudar isso", avaliou o jogador. "Estou melhorando a cada partida, me condicionando fisicamente e espero ajudar o time a conseguir outra vitória contra o Huachipato."

Tudo o que sabemos sobre:
futebolLibertadoresFluminense

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.