Lucas Merçon/Fluminense
Lucas Merçon/Fluminense

Fluminense joga últimas fichas contra a queda

Sem marcar gols há oito jogos e com técnico interino, equipe precisa de ao menos um empate contra o América-MG

O Estado de S.Paulo

02 Dezembro 2018 | 05h00

O Fluminense aposta, neste domingo, às 17h, no Maracanã, contra o América-MG, as suas últimas fichas na luta contra o rebaixamento. O Flu vive um momento muito conturbado, agravado após a eliminação na Copa Sul-Americana, quarta-feira, que resultou na demissão do técnico Marcelo Oliveira. Para piorar, a grave crise financeira faz com que a diretoria não consiga pagar em dia os salários dos jogadores e o temor é que o ambiente no clube fique caótico com uma possível queda à Série B.

Na sexta-feira, um grupo de 30 torcedores invadiu o CT para cobrar os jogadores. Com 42 pontos, o Fluminense é o 14.º colocado. O América-MG, com 40, ocupa a 17.ª posição e é o primeiro na zona da degola.

O time carioca depende apenas de si para permanecer na elite. Ou seja, com uma vitória ou empate, a equipe está salva. Em caso de derrota, terá de torcer contra Vasco e Chapecoense.

Matematicamente, a situação não parece tão delicada. O problema é que o time está em queda livre. O Flu não marca um gol sequer há oito jogos.

O momento é tão ruim como em 2013, quando o time também vivia péssima fase e terminou o Brasileiro no 17.º lugar, na zona de rebaixamento. Escapou da queda no 'tapetão', depois que a Portuguesa foi punida pelo STJD com a perda de quatro pontos por escalar irregularmente o meia Héverton.

A responsabilidade de salvar o Flu está com o auxiliar técnico Fábio Moreno. "Não dá para inventar muito e querer ser protagonista. É entrar na cabeça do jogador, fazer o simples e fazer um grande jogo. É decisivo, tem grande apelo", disse.

Fábio Moreno tem 36 anos e história no Flu. Ele é filho do ex-observador técnico Robertinho e trabalhou por um longo período nesta função com Abel Braga até se tornar auxiliar de Marcelo Oliveira. Ele reconhece o peso do confronto de hoje para a história do clube. "É gigantesco. O Fluminense não se encontra no lugar que deveria. A ideia é ajudar, colaborar para evitar o rebaixamento", disse.

CARIOCAS AMEAÇADOS

Além do Fluminense, existe a possibilidade de outro carioca, o Vasco, ser rebaixado hoje. Para isso, cinco resultados teriam de acontecer simultaneamente e uma grande quantidade de gols precisaria ser marcada.

Se o Vasco perder para o Ceará no Castelão, o Sport vencer o Santos na Ilha do Retiro, a Chapecoense derrotar o São Paulo na Arena Condá e o Fluminense perder para o América-MG no Maracanã, os dois cariocas disputarão a Série B em 2019.

Mas há um outro componente nesta matemática: o Sport precisaria tirar oito gols de diferença para rebaixar a equipe das Laranjeiras.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.