Fluminense lamenta chance perdida de colar no líder Cruzeiro

No Maracanã, equipe carioca não saiu do empate com o Coritiba e pode perder algumas posições nos jogos deste domingo

Estadão Conteúdo

10 de agosto de 2014 | 12h26

O Fluminense entrou em campo sabendo que o Cruzeiro havia apenas empatado por 0 com o Criciúma, mas não conseguiu aproveitar a oportunidade de colar no líder do Campeonato Brasileiro, pois ficou no 1 a 1 com o Coritiba, no Maracanã, na noite de sábado. Por isso, o técnico Cristóvão Borges exibiu decepção com o tropeço na partida, válida pela 14ª rodada do torneio.

"Estamos chateados com o resultado, o Cruzeiro tinha empatado. Estávamos ganhando e tomamos um gol no segundo tempo. Sabemos que o campeonato é assim. O Cruzeiro empatou duas seguidas. O Coritiba fez grande partida, veio impedir que o Fluminense jogasse, com marcação forte. De acordo com o adversário, vamos procurar criar alternativas. Não podemos ficar previsíveis", analisou.

O empate levou o Fluminense aos 26 pontos, a quatro do líder do Cruzeiro e na vice-liderança do Brasileirão - o time, porém, pode ser ultrapassado neste domingo por Corinthians e Internacional. O time volta a entrar em campo na próxima quarta-feira, no Maracanã, quando disputará o jogo de volta da terceira fase da Copa do Brasil contra o América-RN. Para Cristóvão, o desgaste da vitória por 3 a 0 em Natal, na última quarta-feira, pode ter atrapalhado o desempenho da equipe contra o Coritiba.

"O time sentiu um pouco o cansaço. O Coritiba teve a semana toda para se preparar, enquanto tivemos uma partida disputada em Natal, que é uma viagem longa. Seria natural que num jogo como esse, marcado, disputado, se sentisse isso no fim do jogo. Era previsto na medida que o jogo ficasse difícil como imaginávamos. Tivemos de nos desdobrar. Por isso o desgaste foi maior", disse Cristóvão, que prometeu mais trabalho para evitar que o Fluminense se torne previsível. 

"Estamos procurando nos atualizar da forma de atuar e procurando executar o que se faz no mundo inteiro. É preciso adaptação, a equipe se desgasta. Poderia jogar atrás, no contra-ataque. Mas não quero assim. Quero ver a equipe jogando buscando o gol o tempo inteiro. Precisamos ter paciência. Muito triste com o resultado, mas o campeonato segue. A única maneira é procurar descansar, com boa alimentação e sono. É o que a gente busca. Temos que nos aperfeiçoar cada vez mais nossa maneira de jogar. Essa será a nossa tônica. Os adversários vão jogar para nos bloquear. São poucas as equipes que jogarão de igual para igual", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.