Fluminense marca no final e é campeão

Pesaram a tradição e a força da camisa. O Fluminense conquistou hoje pela trigésima vez o título do Campeonato Carioca, ao vencer de virada o Volta Redonda por 3 a 1. Pouco mais de 70 mil lotaram o Maracanã para ver uma decisão que atingiu o ponto máximo no gol do zagueiro Antônio Carlos, aos 47 minutos do segundo tempo. O lance determinou a conquista do Tricolor. Ele surgiu numa falha incrível do goleiro do Volta Redonda, Lugão, anunciado durante a semana como reforço do Fluminense para o restante da temporada. Lugão saiu muito mal do gol para interceptar um cruzamento despretensioso da intermediária. Estava sem ninguém à frente para atrapalhá-lo, apenas Antônio Carlos, que cabeceou meio sem querer e só notou que marcara o gol do título ao ouvir o barulho da torcida. Antes disso, a vitória parcial do Fluminense por 2 a 1 levaria a disputa para as cobranças de pênaltis. Isso porque no primeiro jogo, o Volta Redonda venceu por 4 a 3, também de virada.O Fluminense iniciou a partida pressionando bastante o Volta Redonda. Mas errava passes em demasia e abusava dos cruzamentos mal feitos sobre a área. Lugão chegou a aparecer bem numa cabeçada de Juninho e dava a impressão que novamente se destacaria - foi um dos melhores em campo no primeiro jogo. Mas o Fluminense acabou surpreendido na principal arma do adversário: o contra-ataque. O atacante Fábio aproveitou bem lançamento de Mário César e uma falha de marcação da zaga tricolor e chutou rasteiro na saída de Kléber. Aos 10 minutos, com o gol do Volta Redonda, o Fluminense passou a ter a obrigação de fazer três, a fim de chegar ao título. Restava ao time arriscar. Juninho tentou de novo. Diego, de cabeça, quase marcou. No banco de reservas, Abel Braga mascava chiclete, andava de um lado para o outro sem esconder a tensão e pensava numa alternativa derradeira. Concluiu que precisava lançar outro atacante. Aos 38 minutos, substituiu Juninho por Rodrigo Tiuí.O Fluminense melhorou, passou a atacar com mais insistência, enquanto o Volta Redonda se limitava a tocar a bola. Aos 47, veio o empate, num lance polêmico. Tuta cabeceou a bola na trave, após cruzamento de Fabiano Eller. Na volta, ela bateu no zagueiro Aílson e entrou. Os jogadores do Volta Redonda pediram falta de Tuta no goleiro Lugão. Os dois se esbarraram na pequena área. Para o diretor de arbitragem da Federação de Futebol do Rio, Cláudio Vinicius Cerdeira, a jogada "foi duvidosa". O gol deu novo ânimo ao Tricolor. Depois do intervalo, a pressão recomeçou. O Volta Redonda se defendia de qualquer maneira. A situação do Fluminense piorou aos 12 minutos, quando o atacante Tuta acertou o rosto de Maciel com uma cotovelada e foi expulso. Mas o árbitro Edilson Soares da Silva deu "uma compensada" cinco minutos depois, ao mostrar o cartão vermelho para Mário César, atribuindo-lhe uma falta de ataque. A infração, se ocorreu realmente, pareceu casual. Incentivado pela torcida, o Fluminense fez o segundo gol aos 23: Juan cobrou falta e Marcão desviou sutilmente de cabeça. A partir de então, o terceiro gol parecia muito próximo. O Volta Redonda só teve mais uma oportunidade: nos pés do artilheiro do campeonato Túlio, que hoje teve atuação apagada. Com um chute forte, ele obrigou Kléber a fazer excelente defesa. Alex, Rodrigo Tiuí e Juan desperdiçaram aquele que seria o gol do 30º título carioca do Tricolor. Até que nos descontos, com a colaboração do novo contratado do Fluminense, Antônio Carlos encerrou o campeonato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.