Fluminense quer jogar com inteligência

Com quatro desfalques importantes e já esperando pela força que o Paulista tem atuando no Estádio Jaime Cintra, em Jundiaí, o técnico Abel Braga, do Fluminense, está denominando o primeiro confronto da decisão da Copa do Brasil, nesta quarta-feira, como o "jogo da inteligência". Evitar a derrota ou até mesmo perder de pouco estariam nos planos para levar a decisão para o segundo duelo, dia 22, em São Januário, no Rio de Janeiro (RJ). Segundo o treinador carioca, apenas a vontade não será suficiente para conseguir um bom resultado no interior paulista, o que Braga considera como essencial para a conquista do título. "Eles são chatos e não perdem jogando em casa. Por isso uma vitória, por qualquer placar, seria excepcional para nossas pretensões. No Rio, teremos a volta dos experientes", explicou. Além do meia Felipe, que cumpre suspensão de quatro meses por uma agressão a um jogador do Campinense, o técnico não poderá contar com o zagueiro Fabiano Eller e com o atacante Leandro, machucados, e ainda com o volante Diego, que serve a Seleção Sub-20 e será negociado após o Mundial, disputado na Holanda. Em compensação, Antônio Carlos, zagueiro que estava suspenso, tem retorno garantido. Em virtude das ausências dos pontos de experiência do time, a juventude será a característica principal nesse primeiro duelo. Abel ainda não decidiu todos os substitutos, mas Fernando, que já jogou no empate contra o Santos, deve ser mantido ao lado do também jovem Radamés no meio de campo. No ataque, Alex e Rodrigo Tiuí brigam pela posição. No treino realizado, nesta segunda-feira à tarde, no CT do Guarani, em Campinas, o comandante não deixou pistas de quem irá utilizar. Depois da derrota em circunstâncias parecidas da última edição da Copa do Brasil, quando ainda dirigia o Flamengo e perdeu o título em pleno Maracanã, para o Santo André, Abel Braga tem caprichado nas palavras de respeito ao time do interior paulista. Segundo ele, as dificuldades encontradas na competição, principalmente nas complicadas classificações diante de Treze e Ceará, são boas para que o time entre com seriedade. "Daquela vez parecia muito fácil e caímos no oba-oba. Agora procuro nem falar no adversário. Para eles (jogadores), vamos enfrentar o Santos ou o Cruzeiro", finalizou. A inexperiência excessiva que o Fluminense terá em campo é outro ponto de preocupação do técnico tricolor e faz a responsabilidade recair sobre os mais velhos do grupo. Marcão e Tuta entenderam o recado e têm procurado conversar com os mais jovens. "Claro que um companheiro como o Leandro faz falta, mas Tiuí e Alex são bons garotos, de boa cabeça. Quem entrar acho que dará conta do recado", afirmou o centroavante Tuta, que em 1997 passou pelo time de Jundiaí, quando ele ainda era chamado de Lousano Paulista. "Foram seis meses só, quando o time ainda disputava a segunda divisão", explicou. Se espera por uma força de seus torcedores no Rio de Janeiro, o elenco do Fluminense teve uma boa notícia nesta segunda-feira. Segundo sua assessoria de imprensa, cerca de 15 mil ingressos já foram vendidos para o jogo de volta, marcado para o próximo dia 22, no Estádio de São Januário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.