Fluminense vence e fica perto de vaga na Libertadores

Equipe de Renato Gaúcho vence o Atlético Nacional-COL por 2 a 1, fora de casa, e sonha com as quartas

Bruno Lousada, O Estado de S. Paulo

01 de maio de 2008 | 00h40

Dono da melhor campanha da primeira fase da Copa Libertadores da América, o Fluminense se saiu bem na noite desta quarta-feira em Medellín. Venceu o Atlético Nacional (da Colômbia), por 2 a 1, e ficou perto da classificação para as quartas-de-final da competição continental. A equipe tricolor pode até perder por 1 a 0 no duelo de volta contra o time colombiano, terça-feira, no Maracanã, para avançar de fase.Veja também: Classificação Calendário / ResultadosO Fluminense 'achou' um pênalti no instante em que o Atlético Nacional exercia forte pressão, embora não fosse tão perigoso, e parecia mais próximo de fazer o primeiro gol do duelo. Eis que o lateral-esquerdo Júnior César passou em velocidade por dois zagueiros e foi derrubado na área pelo goleiro Ospina. Atlético Nacional1Ospina    ; Zúñiga, Mendoza, Moreno     e Martínez    ; Amaya, Vélez, Arrué     e Córdoba (Barahona); Muñoz (Galván) e Villagra (Martel)Técnico: Oscar Quintabani Fluminense2Fernando Henrique; Gabriel, Thiago Silva (Roger), Luiz Alberto e Junior Cesar; Ygor    , Arouca    , Cícero    , Conca (Dodô) e Thiago Neves (Maurício); e Washington    Técnico: Renato GaúchoGols: Thiago Neves, aos 21 minutos do primeiro tempo. Arrué, aos 6, e Conca, aos 30 minutos do segundo tempoÁrbitro: Martín Vázquez (URU)Renda: não disponívelPúblico: não disponívelEstádio: Atanásio Girardot, Medellín (COL)O juiz Martín Vázquez, do Uruguai, não pensou duas vezes: assinalou a penalidade e expulsou o camisa 1 da equipe colombiana. Thiago Neves, então, chamou a responsabilidade para si e abriu o placar, aos 21 minutos do primeiro tempo.Era tudo o que o Fluminense queria. Um homem a mais em campo e a vantagem no marcador. "Mas temos que matar o jogo", exigiu o técnico Renato Gaúcho, no intervalo, irritado com o comodismo da equipe tricolor, que passou a administrar o resultado. O treinador bem que avisou, mas não teve jeito. Em meio à apatia tricolor, o meia Arrué empatou a partida logo no começo da segunda etapa. O Fluminense se recompôs, mas faltava força ofensiva. Até que o meia Conca arriscou chute de fora da área, o goleiro Barahona falhou e a bola entrou: 2 a 1.O Fluminense, então, deixou o tempo correr. Poderia ter feito mais gols, mas se contentou com a vitória magra, mas importante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.