Carl de Souza/AFP
Carl de Souza/AFP

'Foi a nossa melhor partida', diz Tite sobre derrota para a Bélgica na Copa

"Uma Copa é um torneio, não te dá possibilidade de retorno em outro jogo. Não é mata-mata, é só mata. Ficou esse gosto amargo por ela ter feito esse grande segundo tempo"

Marcio Dolzan, Estadão Conteúdo

17 Agosto 2018 | 13h10

Apesar de ter realizado um primeiro tempo ruim, quando saiu de campo perdendo por 2 a 0, e ter saído de campo eliminada da Copa do Mundo da Rússia, a seleção brasileira fez a sua melhor partida no Mundial na derrota por 2 a 1 para a Bélgica, pelas quartas de final. Ao menos essa é a opinião do técnico Tite, que nesta sexta-feira considerou que o Brasil deveria ao menos ter ficado entre os quatro melhores.

"A seleção sai da Copa com o melhor segundo tempo que teve durante a Copa toda. Pra mim foi o melhor jogo, inclusive o primeiro tempo. Pela qualidade do adversário e por quanto ela criou. Teve 27 finalizações, nove no gol. Efetividade foi um dos nossos problemas", disse o treinador, após anunciar a lista de 24 convocados para os amistosos diante de Estados Unidos e El Salvador, no próximo mês.

"Uma Copa é um torneio, não te dá possibilidade de retorno em outro jogo. Não é mata-mata, é só mata. Ficou esse gosto amargo por ela ter feito esse grande segundo tempo", continuou Tite.

O treinador contou que, após aquele jogo, recebeu no vestiário a visita do técnico espanhol Roberto Martinez, que dirige a equipe belga. Segundo Tite, o colega considerou a vitória da própria equipe como "sorte". "Ele me disse: 'Tite, nós tivemos sorte. Vocês foram melhores, nós tivemos sorte'".

O treinador brasileiro também afirmou que ficou 15 dias sem conseguir dormir direito após aquele jogo. "Continuo sentindo (a eliminação). Talvez só vá retirar isso quando a equipe entrar em campo de novo", considerou Tite. "A dor que eu sinto, o frustrado, o chateado, é em cima de uma expectativa que a gente abraçou também. Nós criamos em cima de um bom futebol. Era justo chegar na semifinal", completou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.