Martin Bernetti /AFP
Martin Bernetti /AFP

'Foi o jogo mais importante da minha geração', diz Modric após vaga

Meia croata quase saiu da partida diante da Dinamarca como vilão ao errar um pênalti na prorrogação

Estadão Conteúdo

01 Julho 2018 | 20h10

O meia Luka Modric admitiu que existia uma pressão muito grande antes do jogo diante da Dinamarca, neste domingo. Segundo o camisa 10, o confronto pelas oitavas de final da Copa do Mundo da Rússia 'foi o mais importante' de sua geração. Após empate por 1 a 1 no tempo normal e na prorrogação, a Croácia avançou às quartas de final com uma vitória nos pênaltis por 3 a 2. 

+ Técnico admite atuação ruim, mas diz que vitória nos pênaltis fortalece Croácia

+ Croácia bate Dinamarca nos pênaltis e pegará a Rússia nas quartas da Copa

"Eu não quis dizer (na véspera do jogo) que este poderia ser o mais importante para a minha geração, mas foi. Sabíamos que tínhamos uma grande oportunidade para classificar às quartas", afirmou o jogador do Real Madrid, que quase terminou como vilão.

No segundo tempo da prorrogação, Modric desperdiçou uma cobrança de pênalti que poderia ter feito o sofrimento ser menor. O croata elogiou o goleiro dinamarquês Kasper Schmeichel, que foi eficiente, apesar de o meia revelar que estudou o comportamento do jogador. "Estava muito quente e muito difícil de correr. Foi difícil para mim perder o pênalti porque eu estive estudando a manhã inteira como marcar contra Schmeichel", revelou o meia após a partida. Ele escolheu o canto esquerdo e o arqueiro dinamarquês encaixou.

 

Na disputa por pênaltis, Luka Modric teve personalidade e bateu novamente. Desta vez no meio do gol, para marcar e ajudar a Croácia a avançar no Mundial. A atitude rendeu elogios do técnico Zlakto Dalic.

"Pode acontecer que você perca uma penalidade, mas eu sou fascinado com a sua determinação para bater depois que ele perdeu na prorrogação. Ele assumiu a responsabilidade como um verdadeiro capitão", destacou o treinador, ao frisar que Luka Modric pediu para estar entre os cinco escolhidos para a disputa final. "Você pode imaginar se ele não tivesse marcado? Mas ele é um ótimo jogador", completou.

Agora, a Croácia encara a anfitriã Rússia no sábado, dia 7 de julho, às 15 horas (de Brasília), em Sochi, na briga por vaga às semifinais do Mundial.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.