"Foi uma infelicidade", diz Doni

Não foi uma falha, mas ?uma infelicidade?. Foi assim que Doni justificou o lance do primeiro gol do Guarani do Paraguai no empate por 2 a 2, quarta-feira, pela Libertadores, na Vila. O goleiro santista ?aceitou? uma cobrança de falta da intermediária, quase na lateral. O paraguaio Diaz tentou cruzar e a bola acabou entrando. A pergunta agora é: a ?infelicidade? vai custar vaga no time para o jogo de amanhã contra o Marília, pelo Paulistão, no Palestra Itália?Doni explicou a diferença entre os conceitos. ?Uma falha, por exemplo, é quando o goleiro fura em uma bola chutada. Ontem (4ª feira), tive uma infelicidade. Mas vai acabar sendo encarada como uma falha?, disse o goleiro, em entrevista à Rádio Jovem Pan.?Eu fui surpreendido. O cara quis cruzar, errou, e a bola entrou. Eu estava esperando o cruzamento, posicionado para isso. A bola foi direto. Infelicidade minha.?Ao final do jogo, Doni foi vaiado pela torcida, que pediu a volta de Júlio Sérgio ao time. Os torcedores santistas, na verdade, ainda não engoliram Doni, que veio do Corinthians para o lugar do ex-ídolo Fábio Costa, que foi para o rival. ?Hoje sou santista, defendo o clube, darei minha vida por ele?, disse Doni.Para o goleiro, as reclamações da torcida são normais. ?A torcida cobra, isso é normal. Hoje eles vaiam, amanhã aplaudem. Eu não tive nenhum problema com os torcedores, pude sair do vestiário sem ser perturbado. O torcedor esperava uma goleada, ela não veio. Entendo isso.?Apesar da falha, Doni deve ser mantido como titular no jogo de amanhã, contra o Marília, no Parque Antártica, pelo Campeonato Paulista. Depois da partida de quarta-feira, o técnico Leão reconheceu a falha do goleiro, mas disse que o ataque também falhou por perder muitos gols. ?Se começarmos a criar um mito, o mito pode acontecer e o que ocorreu foi um erro, comum ao ser humano que é falível. O Doni tem de estar vacinado para isso e saber que a torcida é emocional e reagiu.?Doni disse que conversou muito com Leão e Pedro Santilli, preparador de goleiros do time, após a partida, e recebeu apoio. ?Gosto de ouvi-los sempre, são grandes profissionais; eles disseram que não tive culpa pelo resultado. Poderíamos ter feito mais gols. Isso fez falta.?Doni também recebeu apoio dos jogadores do Santos. No vestiário, o primeiro a falar com ele foi o capitão Renato. ?Dei a dica a ele, que sabe das cobranças e que as coisas são um pouco mais difíceis, ainda mais para um jogador que veio de uma equipe rival.?Robinho entende que o fato de Doni ter jogado pelo Corinthians está contribuindo para o desabafo dos torcedores. ?A torcida pode estar pegando no pé por ele ter atuado no nosso rival, mas ele tem de ter tranqüilidade para fazer seu papel, sempre lembrando que está no Santos porque tem qualidade.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.