Sebastien Nogier/EFE
Sebastien Nogier/EFE

Follmann diz que prêmio Laureus é homenagem aos que morreram na tragédia

Após cerimônia em Mônaco, ex-goleiro da Chapecoense dedica conquista às vítimas do acidente de novembro de 2016

Daniel Batista, enviado especial a Mônaco, O Estado de S. Paulo

27 de fevereiro de 2018 | 17h34

A Chapecoense proporcionou um dos momentos mais emocionantes durante a entrega do prêmio Laureus. O ex-goleiro Jakson Follmann representou o clube na entrega do prêmio de Melhor Momento do ano. Visivelmente emocionado, um dos sobreviventes do acidente aéreo ocorrido no dia 29 de novembro de 2016 também causou comoção entre os presentes no evento, que ocorreu em Mônaco.

+ Adidas será a fornecedora de material do São Paulo

+ Federer e Serena são premiados em Mônaco

“Esse prêmio é um honra e uma homenagem aos que partiram e a quem nos ajudou na nossa reconstrução. Foram muitas histórias emocionantes e ruins, que também mereciam um prêmio. Obrigado a todos que votaram, um abraço ao povo de Chapecó e obrigado ao mundo todo, de coração”, disse Follmann, ao lado do ex-jogador Cafu, responsável por lhe entregar o prêmio.

Enquanto Follmann falava, os convidados demonstravam emoção com a tragédia envolvendo o clube brasileiro. “Um trágico acidente que fez o mundo se unir em prol das pessoas, em prol de um objetivo, que é ajudar. Vocês são merecedores disso. Eles se foram, mas vocês que estão aqui, representando a Chapecoense, e merecem esse prêmio”, disse Cafu. 

O prêmio foi dado pela forma com que o clube catarinense se reergueu após a tragédia ocorrida no dia 29 de novembro de 2016, quando 71 pessoas morreram e apenas três atletas sobreviveram, casos de Alan Ruschel, Neto e Jakson Folmann, que representou o clube na premiação. O clube foi citado como exemplo de inspiração para, através do esporte, superar as adversidades. O Laureus ainda destacou o retorno do lateral Alan Ruschel aos gramados, no dia 7 de agosto do ano passado, na partida amistosa contra o Barcelona, no Camp Nou. Ruschel jogou os primeiros 35 minutos do jogo. 

Além da premiação aos atletas, o prêmio Laureus também apoia projetos sociais em todo o mundo e no Brasil tem parceria com quatro instituições, sendo três delas no Rio de Janeiro. Casos do Instituto Reação, da Luta pela Paz e do Bola para frente. Completam a lista ainda, a fundação Gol de Letra, que tem eventos no Rio e em São Paulo e é fundada pelos ex-jogadores Raí e Leonardo. E até o ano passado, o Laureus apoiava também o Passe de Mágica, fundado pela Magic Paula, ex-jogador de basquete.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.