Fonte Nova é interditada e vistorias começam nesta manhã

Desabamento deixa sete torcedores mortos e pelo menos 40 feridos após estrutura de cimento romper

26 de novembro de 2007 | 08h06

 O Estádio Fonte Nova foi interditado pelo governador do Estado Jaques Wagner, depois do desabamento que deixou sete mortos e pelo menos 40 feridos no domingo, 25. O governador da Bahia determinou que uma perícia no local do acidente seja iniciada ainda nesta segunda-feira, 26. No domingo, o estádio do Bahia recebeu 60.007 torcedores que foram comemoram o acesso do time à Série B. Uma parte do anel superior do estádio cedeu às comemorações após o empate sem gols com o Vila Nova-GO e os torcedores caíram de uma altura de cerca de 40 metros.  Outras tragédias em estádios marcaram o futebol brasileiroSeis vítimas da tragédia no Fonte Nova são identificadasGovernador da BA lamenta acidente e interdita Fonte NovaSete pessoas morrem após partida do Bahia na Série C Bragantino e Bahia antecipam acesso na Série C   Galeria de fotos da tragédia na Fonte Nova Torcedores caíram de 40 m de altura depois que a estrutura de cimento da arquibancada rompeu Na manhã desta segunda, engenheiros iriam avaliar as causas do acidente e todas as estruturas do estádio seriam examinadas. As vítimas caíram por um buraco de cinco metros que foi aberto após a estrutura de cimento se romper. O local do incidente na arquibancada é onde fica a torcida organizada Bamor, a maior do Bahia.  Estudo divulgado há menos de um mês pelo Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia (Sinaenco) já mostrava problemas na Fonte Nova. No final de outubro, o governador da Bahia, Jacques Wagner, colocou como uma das opções para que Salvador pudesse ser escolhida como uma das sedes da Copa de 2014, que o estádio fosse implodido, para a construção de uma nova arena. Situação precária Há menos de um mês, o diretor-geral da Superintendência dos Desportos do Estado da Bahia (Sudesb), o ex-jogador Bobô, lembrou que desde o início do ano vinha sendo recuperada parte da estrutura da Fonte Nova. "A Sudesb já havia sido informada de que o estádio era precário. O órgão tem de ser responsabilizado", condenou a delegada Maria Andrade Ramos.  O Sinaeco fez uma vistoria nos 29 principais estádios em 18 cidades que se candidataram a receber jogos da Copa de 2014 e alertou em documento divulgado no dia 1.º de novembro que a Fonte Nova era o local em piores condições."As arquibancadas estavam em ruínas", concluiu o estudo. "Estado lastimável, nenhum conforto e segurança para os usuários." Foi constatado que em setores do estádio não havia peitoril, colocando os torcedores em risco de queda. A estrutura de vigas e pilares da Fonte Nova também estão comprometidas, informa o Sinaenco. Várias estão com as ferragens expostas. Os pisos dos banheiros estão podres. Vítimas Sete mortos foram identificados: Jackson Celestino, Anísio Marques Neto, Djalma Lima Santos, Mário Santos Cruz, Joselito Júnior e as irmãs Patrícia e Milena Vasquez Palmeira. Seis pessoas permaneciam internadas em estado grave no Hospital Geral do Estado. O desastre cancelou as comemorações pelo acesso. "Na mesma hora em que fiquei sabendo do acidente, pedi para cancelar o trio elétrico, que nem entrou no estádio. Estou indo para o Hospital Geral, quero acelerar a remoção dos feridos, já que, infelizmente, não conseguimos evitar a tragédia", afirmou, abatido, o presidente do Bahia, Petronio Franca Barradas. Ele vai decretar três dias de luto e o time atuará com tarja preta na camisa contra o Crac, na quarta-feira. Barradas negou que o estádio estava superlotado. Alambrados também cederam, por causa da invasão dos torcedores ao término do jogo que garantiu o acesso do Bahia. O Bragantino - fez 3 a 1 no Barras-PI - também subiu para a Série B de 2008.

Tudo o que sabemos sobre:
BahiaSérie Bdesabamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.