Fora da Copa, meia alemão volta a procurar um psiquiatra

Após sofrer uma contusão no joelho em treino do Bayern de Munique, em 14 de março, a vida do meia Sebastien Deisler, de 26 anos, virou novamente um inferno. O alemão viajou para os Estados Unidos e fez a quinta operação no joelho direito, o mesmo que já o tinha tirado da Copa do Mundo de 2002, com o mesmo médico, o doutor Richard Steadman. Antes da operação, Deisler já sabia que estaria fora de mais um Mundial, desta vez no seu próprio país.Vivendo com a brasileira Eunice há quatro anos e com um filho, Rafael, em comum, o jogador não agüentou mais este revés na sua carreira e voltou a procurar uma clínica psiquiátrica. "Duas semanas antes da Páscoa decidi ir ao Instituto Max Planck (em Munique) para consultas com o professor Florian Holsboer, que já tinha tratado de meus problemas de depressão entre novembro de 2003 e janeiro de 2004", revelou Deisler ao jornal alemão Bild."Foi um momento muito difícil para mim. Depois de 2002, outra vez ficar de fora de uma Copa, outra vez parar de jogar por um longo tempo, outra vez por causa do mesmo joelho direito, foi difícil", afirmou o meia. "Fiquei quatro dias lá, conversamos bastante e ele me ajudou moralmente, me encorajando. E agora só existe uma coisa para mim: ficar em forma de novo e continuar minha vida", acrescentou.O médico de Deisler, Dr. Steadman, revelou que a contusão do atleta não foi tão grave. Dois parafusos que estavam no local desde a última operação foram retirados e o joelho está mais intacto do que antes. Um novo método vai ser utilizado para recuperar a cartilagem, atingida em 14 de março, que vai possibilitar sua regeneração. "Vou lutar, tudo vai ficar bem. Eu vou voltar a jogar futebol novamente", afirmou, resoluto, Deisler, ressaltando que não estipulou uma data para seu retorno."Sei que conto com todo o tempo do mundo e com o apoio do Bayern e de (Uli) Hoeness (diretor) para me recuperar totalmente", disse o meia, que mantém uma fisioterapia de duas a três horas diárias no centro de recuperação do clube bávaro, em Munique. Sobre a Copa do Mundo, Deisler já decidiu. "Seria muito difícil de suportar ver o Mundial aqui. Vamos viajar de férias e pela TV acompanharemos o que vai acontecer", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.