José Patricio/Estadão
José Patricio/Estadão

Fora do jogo, Balotelli está insatisfeito com esquema tático da Itália

Atacante perdeu o bom humor ao saber que não poderá disputar a semifinal

LUÍS AUGUSTO MONACO - Enviado Especial, O Estado de S. Paulo

24 de junho de 2013 | 07h19

FORTALEZA - O bom humor de Balotelli deu lugar ao desânimo e à irritação. O atacante ficou sabendo neste domingo que sofreu uma lesão muscular de grau um na coxa esquerda que o deixará fora da semifinal contra a Espanha (Gilardino entrará em seu lugar). E, antes mesmo de receber essa má notícia, estava irritado por se sentir muito isolado no esquema tático empregado pelo técnico Cesare Prandelli nas três primeiras partidas, com cinco homens no meio-campo e ele como referência na frente.

A notícia da ausência de Baloteli no jogo de quinta-feira foi dada pelo médico Enrico Castellacci por volta de 19h15. Ele tinha acabado de voltar com o centroavante de um exame de ressonância magnética que acusou a lesão. “Já estamos trabalhando para tentar recuperá-lo para uma eventual final”, afirmou. Sobre Pirlo, que se machucou na partida diante do Japão (contratura na panturrilha direita) e não enfrentou o Brasil, Castellacci disse estar “discretamente otimista” quanto à chance de ele poder ser utilizado na semifinal. Mas gente de dentro da delegação diz que o otimismo da comissão técnica é mais do que “discreto”, porque Pirlo vem dando sinais de que estará pronto para o jogo.

Depois do jogo de sábado em Salvador, Balotelli desabafou com pessoas próximas que não se sentia bem no esquema que vinha sendo usado. Reclamou de não receber cruzamentos e da falta de um companheiro para ajudá-lo a dividir a marcação. Disse que no Milan - pelo qual fez 12 gols em 13 partidas de janeiro a maio - sempre teve um ou dois atacantes ao seu lado, e que na Eurocopa de 2012 a seleção era mais ofensiva.

A lesão que sofreu trará prejuízo ao time, mas pode impedir a explosão de uma crise. Com o pavio curto que tem, Balotelli dificilmente resistiria a expor sua insatisfação para Prandelli. E isso poderia conturbar o ambiente na concentração. Paradoxalmente, agora que o centroavante titular deixará o time, a escalação poderá ganhar um segundo atacante.

Gilardino tem características distintas das de Balotelli. Ele vive de cruzamentos ou de sobras. Sob o comando de Prandelli fez apenas dois gols - em San Marino e Ilhas Faroe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.