Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Força ofensiva pelas laterais vira a arma do São Paulo para 2015

Clube busca na dupla ex-Fluminense Bruno e Carlinhos a força para apoiar e evoluir em um setor em que o time não ia bem em 2014

Fernando Faro, O Estado de S. Paulo

22 de janeiro de 2015 | 09h10

A manutenção de praticamente todo o time para esta temporada não quer dizer que o São Paulo não terá novidades na forma de jogar. Os treinos vêm deixando claro que as laterais serão muito utilizadas graças à chegada de Bruno e Carlinhos. A dupla, que começará o ano como titular, já dá uma nova cara ao time neste começo de ano.

Ao contrário de Hudson e Alvaro Pereira, os novos titulares têm na força ofensiva sua principal virtude. "As características do Bruno e do Carlinhos são de sempre aparecer, de sempre apoiar o ataque, e é bom você saber que tem um jogador ali à disposição para jogar junto", analisou Michel Bastos.

Os ex-jogadores do Fluminense começarão o ano como titulares e têm o entrosamento dos tempos de Laranjeiras a seu favor. Nos primeiros jogos-treino, eles mostraram sintonia e souberam dosar os avanços. No teste desta quarta-feira contra o Água Santa, da Série A-2 do Paulista, foram muito acionados pelos companheiros, e Bruno teve aproveitamento muito bom nos cruzamentos.


Laterais ofensivos foram um pedido de Muricy Ramalho à diretoria para tentar resolver o problema no setor. Alvaro Pereira é mais defensivo e pode deixar o clube nos próximos dias, enquanto Hudson é volante de origem e não tem o mesmo perfil de um atleta da posição.

Ainda assim, nem tudo são flores. Como previsto, a entrada de dois jogadores mais ofensivos deixou espaços na defesa e falhas aconteceram nas costas da dupla. Nada, porém, que não possa ser corrigido.

"Existe uma base pronta e acaba se tornando mais fácil para quem está chegando se encaixar no time. É um processo natural", disse Alan Kardec.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSão Paulo FCCarlinhosBruno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.