Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Forçada a jogar em campo neutro, Palestina leva partidas para a Jordânia

A Associação Palestina de Futebol (PFA, na sigla em inglês) anunciou nesta quinta-feira que escolheu a Jordânia como sede dos seus próximos jogos pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, diante de Arábia Saudita e Malásia. Na quarta, a Fifa determinou que a seleção da palestina mandasse os jogos em campo neutro. Originalmente, estes dois confrontos estavam previstos para acontecer em solo palestino.

Estadão Conteúdo

05 de novembro de 2015 | 15h45

No entender da Fifa, os jogos não poderão acontecer em Ramallah por questões de segurança. No mês passado, o confronto entre palestinos e israelenses voltou a se acentuar e a Cisjordânia foi cenário de algumas dessas cenas de violência. A PFA disse que aceitou, sob pressão, jogar na Jordânia.

O jogo entre Palestina e Arábia Saudita, que estava inicialmente previsto para acontecer nesta quinta-feira, foi reprogramado para a próxima segunda, enquanto o confronto entre palestinos e malaios ocorrerá em 12 de novembro, para quando já estava previsto.

NOVELA - Na última terça-feira, a PFA emitiu comunicado para lamentar a decisão da Arábia Saudita de se recusar a jogar em Ramallah a partida que estava marcada para esta quinta e foi remarcada para a próxima segunda. O jogo seria o primeiro oficial da seleção da Palestina em seu território e só foi alterado para Ramallah pela Fifa quando a entidade máxima do futebol recebeu garantias de segurança, indo contra ao veto inicial dos sauditas, que temeram falta de condições de segurança e retaliações de Israel na passagem pelos postos de controle, uma vez que são os israelenses que controlam as entradas e saídas da Palestina. A Arábia Saudita argumenta ainda que não tem relações diplomáticas com Israel.

No último dia 21 de outubro, a Fifa autorizou a Palestina a sediar no seu território a partida da sua seleção nacional, no que então foi considerada uma vitória diplomática de Joseph Blatter, dias antes de o suíço ser suspenso por 90 dias pelo Comitê de Ética da entidade. Ele realizou negociações em Zurique após a federação saudita inicialmente se recusar a jogar em Ramallah, no dia 13 de outubro.

Naquela ocasião, as autoridades palestinas acusaram a Arábia Saudita de terem adotado uma cautela exagerada ao se recusarem a passar pelo território de Israel por questões de segurança para disputar o jogo. A Fifa originalmente mudou o palco do confronto para a Jordânia, mas depois voltou a partida para a Palestina após ter recebido garantias de segurança, que agora não existem mais.

O jogo é válido pelo Grupo A da segunda fase das Eliminatórias Asiáticas para o Mundial, liderado pela Arábia Saudita, com 12 pontos - a Palestina é a terceira colocada, com cinco. O primeiro colocado se classifica para a terceira fase do torneio classificatório, assim como os quatro melhores dos oito segundo colocados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.