Fernando Vergara/AP
Fernando Vergara/AP

Forlán leva Uruguai a uma semifinal após 40 anos e é o destaque da Copa de 2010

Atacante foi um dos artilheiros da competição sediada na África do Sul, com cinco gols marcados

Glauco de Pierri, O Estado de S.Paulo

11 Maio 2018 | 03h00

Eleito pela Fifa como o melhor jogador da Copa do Mundo de 2010, o uruguaio Diego Forlán fez uma grande apresentação na África do Sul. Ele marcou cinco gols, foi um dos artilheiros da competição e liderou sua seleção em uma campanha que colocou o país de volta em uma semifinal de mundial depois de nada menos do que 40 anos.

Confira a página especial sobre a Copa do Mundo de 2018

INFOGRÁFICO - Brasil, a camisa mais pesada do futebol mundial

ESPECIAL - 15 anos do Penta, nossa última conquista

Em 2010, Forlán defendia as cores do Atlético de Madrid e tinha liderado o time espanhol na conquista da Liga Europa. Além de ter sido eleito o melhor jogador da Copa, Forlán também ficou com o prêmio pelo gol mais bonito do mundial, feito na decisão do terceiro lugar, contra a Alemanha.

NÚMEROS DA COPA DE 2010

145 gols foram marcados em 64 jogos na Copa da África do Sul, uma média de 2,27 gols por jogo.

3.178.856 torcedores foram aos estádios, o que dá uma média de 49.669 pagantes por partida.

7 a 0 foi a maior goleada do Mundial, na vitória de Portugal sobre a Coreia do Norte, pela primeira fase.

4 gols em rivais anotou a seleção da Alemanha. Primeiro, nas oitavas de final, vitória por 4 a 1 sobre a Inglaterra. Depois, nas quartas, triunfo por 4 a 0 na Argentina de Maradona.

4 vitórias seguidas por 1 a 0 levaram a Espanha ao título após a primeira fase – na sequência, o time passou por Portugal, Paraguai, Alemanha e Holanda na grande decisão.

17,8 finalizações em média por jogo registrou a seleção brasileira em seus cinco jogos, a maior da Copa.

23 cartões recebeu a Holanda na competição – foram 22 amarelos e um vermelho. A Espanha recebeu 8 amarelos em todo o mundial e não teve nenhum jogador expulso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.