Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Formiga explica retorno à seleção após aposentadoria: 'Precisavam de mim'

"O Vadão falou sobre a dificuldade de não ter uma jogadora na minha posição para repor e precisava da minha ajuda"

Estadão Conteúdo

02 Março 2018 | 16h02

Formiga ouviu um pedido do técnico Vadão e abandonou a aposentadoria da seleção brasileira para voltar a vestir as cores do País. Convocada para um período de treinamentos neste mês, ela trabalha com as colegas na Granja Comary, em Teresópolis, e explicou o motivo de ter decidido retornar.

+ Está chegando! Panini divulga capa do álbum de figurinhas da Copa

"O Vadão falou sobre a dificuldade de não ter uma jogadora na minha posição para repor e precisava bastante da minha ajuda. Eu vi que realmente há carência em relação a isso e eles precisavam de mim. Eu, do jeito que sou pelo futebol feminino, aceitei e falei para ele que iria para ajudar até a Copa América", declarou ao site da CBF.

A experiente jogadora, que tem 22 anos de trajetória com a seleção brasileira e defende o Paris Saint-Germain, foi à Granja Comary em janeiro para conversar com Vadão sobre a possibilidade de retornar. Depois de novos contatos com o treinador, optou por voltar.

Ela faz parte de um grupo de convocadas para 10 dias de treinamento no período da data Fifa, que vai da última segunda-feira até o dia 7 de março. As atividades fazem parte da preparação para a Copa América do Chile, que será disputada entre os dias 4 e 22 de abril.

"A nossa presença é muito importante para essas meninas novas. Nossa experiência pode tranquilizá-las e deixá-las bem à vontade para jogar o futebol que elas sabem. Fazer com que elas acreditem que podem continuar aqui e atingir outros patamares na vida é o nosso papel", disse Formiga.

Há mais de duas décadas vestindo as cores da seleção, Formiga coleciona recordes e é um dos maiores nomes do futebol feminino em todos os tempos. "Essa marca pessoal é maravilhosa para mim. Não só para mim, mas para o futebol feminino é importante. Espero que outras meninas também consigam atingir isso e que a gente possa elevar ainda mais o nome da modalidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.