Sam Robles/CBF
Sam Robles/CBF

Formiga mostra indignação por aparecer em vídeo de defesa de Rogério Caboclo na CBF

Jogadora do São Paulo tem frase descontextualizada com elogios a Caboclo usada em material e reforça seu repúdio aos casos de assédio

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2021 | 17h40

A política da CBF segue causando reflexos. Dessa vez, foi a histórica jogadora da seleção brasileira Formiga quem se manifestou sobre o tema. A experiente atleta se disse incomodada pela maneira como uma frase sua sobre Rogério Caboclo foi usada na defesa do cartola.

Na ocasião, questionada sobre os casos de assédio pelos quais o presidente afastado é acusado, Formiga demonstrou seu repúdio a quaisquer situações envolvendo assédio, mas pontuou que Rogério Caboclo teve papel fundamental para o futebol feminino nos últimos anos.

"Sou totalmente contra assédio, seja de quem for. Poderia ser meu irmão. Jamais iria aceitar. Mas é justo falar que ele foi um presidente que entrou e ajudou o futebol feminino. Se as coisas agora estão acontecendo foi com o aval dele, mas infelizmente aconteceu isso. Espero que o próximo presidente venha com o mesmo carinho que ele teve com o futebol feminino e não tire o que vem dando certo. O Caboclo foi o melhor presidente para o futebol feminino. Antes não tinha nem material. Mas infelizmente aconteceu isso", afirmou Formiga em entrevista à Veja.

Na peça de defesa de Rogério Caboclo, a jogadora é creditada equivocadamente como atacante e a frase "Caboclo foi o melhor presidente para o futebol feminino que já existiu" é utilizada. A meia do São Paulo revelou sua indignação com o uso de sua imagem com uma frase descontextualizada.

"Eu fico incomodada porque eu sempre falei e continuo batendo na tecla que sou contra qualquer tipo de abuso seja com mulher, criança isso não cai bem e principalmente a quem está acima de uma entidade. Sou contra e espero que revejam. Estão usando minha imagem indevidamente, não gosto disso e deixo claro", explicou em entrevista ao ge.

Na terça-feira, a Comissão de Ética da CBF pediu o afastamento de Rogério Caboclo por 15 meses por "conduta inapropriada". Ele é acusado por uma funcionária de assédio moral e sexual. A solicitação será avaliada por Assembleia formada pelos presidentes das 27 federações estaduais. Caso seja aceita a punição, Caboclo poderá voltar ao comando da entidade em setembro de 2022, antes, portanto, da celebração na Copa do Mundo de futebol masculino no Catar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.