Fortaleza perde em casa para o Criciúma

O Fortaleza voltou a perder em casa. Desta vez, para o Criciúma por 1 x 0, caindo da 22ª para a 23ª posição no Campeonato Brasileiro da Série A. Esta foi a nona derrota da equipe na competição, a quinta consecutiva. O time saiu de campo vaiado por quase 12 mil torcedores, que compareceram ao estádio Presidente Vargas, neste domingo (06).O primeiro tempo terminou em zero a zero. Nos minutos iniciais, o time cearense pressionou em busca do gol. Fez mais finalizações - seis ao todo - principalmente, pelo setor direito, com belas jogadas comandadas pelo lateral Chiquinho. Mas não soube aproveitar as oportunidades e abusou do direito de errar.Por duas vezes, o clube cearense esteve cara a cara com o gol. A primeira delas, aos cinco minutos, com uma tabelinha da dupla de atacantes Vinícius-Clodoaldo, sendo finalizada errada por Marcos Paulo, que chutou fraco para a defesa fácil do goleiro Fabiano. A outra grande chance foi desperdiçada por Alyson, aos 20 minutos, chutando para fora.O time catarinense explorou as jogadas de contra-ataque pelo setor esquerdo, forçando, ainda no primeiro tempo, duas bonitas defesas do goleiro Jefferson. Com obrigação de vencer por estar jogando em casa, os jogadores do Fortaleza saíram para o intervalo sob vaias."Infelizmente, a bola não está entrando", declarou Chiquinho, antes de entrar no vestiário. "Não podemos perder a paciência", emendou o volante Wendell."Nosso time está bem. Está faltando só o gol", disse Fabiano, goleiro do Criciúma. Estava. Aos 11 minutos do segundo tempo, o Criciúma marca e desestabiliza o Fortaleza, que, desesperado, começou a correr atrás do prejuízo. O único gol da partida saiu de um escanteio cobrado por Paulo Baier, sendo completado de cabeça por Cametá.O time catarinense passou a administrar a partida. Aos 20 minutos, num lance polêmico, o juiz alagoano Fernando Rogério Oliveira Assunção deixou de marcar um pênalti reclamado pela equipe cearense. O atacante Clodoaldo ia para o cabeceio quando disse que foi empurrado por Luciano Almeida. O juiz interpretou como encenação. Dois minutos depois, em protesto contra o péssimo desempenho do time, a torcida do Fortaleza deu as costas para o campo e pediu novas contratações à diretoria do clube.CLASSIFICAÇÃO

Agencia Estado,

06 de julho de 2003 | 18h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.