Fortaleza vai ao STJD contra o Grêmio

Dois advogados do Fortaleza estão no Rio de Janeiro onde ingressam, nesta terça-feira, com ações no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) contra o Grêmio. O clube cearense, que foi rebaixado para a Série B após ficar em penúltimo lugar no Campeonato Brasileiro da Série A, acusa o clube gaúcho de ter utilizado irregularmente o jogador Juari em duas partidas. Uma contra o Vitória (o Grêmio perdeu por 4 a 1), no dia 20 de agosto, e outra contra o São Caetano (0 a 0) no dia 23 de agosto. De acordo com os advogados do clube cearense, Lívio e Marcelo Desidério, Juari tem duas certidões de nascimento. Em entrevistas anteriores, o vice-presidente jurídico do Grêmio, César Dias Neto, disse estar tranqüilo. "Quem dá condições de jogo aos atletas é a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e jamais tivemos qualquer informação que jogador nosso estaria inscrito irregularmente. Além disso, o prazo legal para o Fortaleza ingressar na Justiça é de cinco dias após a entrega da súmula do jogo", alegou o diretor gremista. Também visando a permanência na Série A, através do tapetão, o Fortaleza atuará noutra frente. O presidente do clube Jorge Mota, invocando o artigo 301 do Código Brasileiro de Disciplina do Futebol (CBDF), quer que sejam retirados cinco pontos e não três - conforme decisão do STJD - de Paysandu (PA) e Ponte Preta (SP), que lançaram irregularmente os jogadores Aldrovani e Júnior Amorim (Paysandu) e Roberto (Ponte Preta). O advogado João Quevedo preparou toda a ação ordinária que vai tramitar numa vara da Justiça Comum do Rio de Janeiro. Lívio e Marcelo Desidério também foram encarregados de protocolar esta ação no Fórum carioca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.