Fortaleza volta à elite do Brasileiro

A fome da torcida leonina é de uma década.Rebaixado desde 1993, o Fortaleza - cujo símbolo é um Leão - volta à elite do futebol brasileiro após sagrar-se, ano passado, vice-campeão da Segundona. Seu técnico é o catarinense Luiz Carlos Cruz, de 37 anos, que já levou o CRB de Alagoas e o próprio Fortaleza a conquistarem o título de campeão em seus respectivos estados. Ele conta com um elenco formado em sua maioria por nordestinos. Dos 33 jogadores do clube, 25 são da região, 20 dos quais cearenses. Os sulistas (das regiões Sul e Sudeste) são apenas oito. A estrela do time durante a Segundona foi Francisco Clodoaldo das Chagas Freitas, de 24 anos, cearense de Ipu. Quando ele entra em campo, a torcida grita: "Uh, terror, Clodoaldo é matador". Baixinho (mede 1,61m) e franzino (pesa 57kg), inferniza os zagueiros adversários com seus dribles. Daí o apelido de "Capetinha". Ele já atuou no Vitória (BA), no Ituano (SP) e no Beira-Mar, de Portugal. A imprensa cearense tem noticiado um eventual interesse do Flamengo em comprá-lo, sendo incerta sua participação pelo Fortaleza. Junto com o companheiro Vinícius, apelidado de Capetão (1,86m e 80kg) e que deixou o clube no ano passado, Clodoaldo foi co-responsável por 33 dos 61 gols da equipe na Segundona. Clube de poucos recursos (ano passado apresentou um ativo de R$ 1.967.106,39), o Fortaleza fez apenas uma contratação para disputar o Brasileirão 2003. Trouxe o meia-atacante Wesley Lopes da Silva, de 22 anos. Ele foi contratado para a vaga deixada por Juninho, passando a ser o homem de ligação entre o meio-campo e o ataque. Wesley disputou o Campeonato Paulista de 2003 pela Ponte Preta. Ele já atuou no Ituano (SP), no Sorocaba (SP) e no Londrina (PR). A estréia do clube cearense no Brasileirão acontece neste domingo contra o Bahia, no estádio Plácido Castelo - o Castelão -, em Fortaleza, que foi reformado ano passado. Time-base: Jefferson, Erandir, Fernando e Ronaldo Angelim; Sérgio, Marcos Paulo, Dude, Wendell e Fabrício; Calmon e Clodoaldo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.