João Prata/ Estadão
João Prata/ Estadão

FPF admite que precisa ser mais ágil com VAR e revela custo de mais de R$ 1 milhão

Mauro Silva e Edmilson Corona fizeram um balanço sobre a implementação da tecnologia no Paulista

João Prata, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2019 | 12h09

O vice-presidente da Federação Paulista de Futebol, Mauro Silva, e o presidente da comissão de arbitragem da FPF, Ednilson Corona, fizeram nesta quarta-feira um balanço sobre a estreia do VAR no Campeonato Paulista. Em coletiva realizada na sede da entidade, ambos admitiram que a decisão do árbitro de vídeo precisa ser mais rápida, mas avisaram que o processo de agilidade ainda deve demorar um pouco.

"Na nossa avaliação o VAR está cumprindo o papel. Estamos corrigindo erros, evitando injustiças. Desafio é diminuir o tempo e aumentar a precisão. É um projeto imenso para a Federação, começou anos atrás, com investimento grande. É um legado para o futebol", disse Mauro Silva.

Uma das medidas para tentar reduzir a espera por uma definição já vai ser tomada para o primeiro jogo da decisão entre São Paulo e Corinthians, no Morumbi. Corona informou que o operador de replay se reunirá com a comissão de arbitragem na concentração que antecede ao clássico. "Vamos conversar melhor no hotel, antes do jogo, e ver como podemos agilizar isso", disse. "Sabemos que o tempo é importante, mas a precisão é muito mais importante", emendou.

O custo total da implementação do VAR no Paulistão ainda não foram calculados. Mauro Silva prometeu um balanço após o término do torneio. Mas adiantou alguns números. "Passa de R$ 1 milhão", afirmou. "Cada jogo tem custo de R$ 28 mil para instalação do equipamento. São mais R$ 14 mil para homologação dos estádio. Mais R$ 6 ou R$ 7 mil de deslocamento, que varia dependendo da cidade. Há também um custo mais alto de homologação dos árbitros", comentou. 

A forma como foi implementado foi aprovado por meio de Conselho em que tiveram a participação de todos os dirigentes dos clubes participantes do torneio. A decisão de não divulgar as conversas entre os árbitros, por exemplo, aconteceu nessa reunião. "Estamos seguindo o combinado", informou Mauro Silva, sem saber ainda se as mesmas medidas serão mantidas em 2020. "Ainda vamos avaliar, fazer um balanço para depois propor as mudanças", encerrou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.