FPF cria comissão para analisar jogos

Um delegado do Garra (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos) vai presidir o inquérito que irá apurar eventuais irregularidades em jogos do Campeonato Paulista apitados por Edílson Pereira de Carvalho. Osvaldo Nico Gonçalves foi designado nesta quarta-feira comandante da comissão de cinco membros criada pelo Tribunal de Justiça Desportiva da FPF para analisar as partidas sob suspeita. Por enquanto, duas delas estão na mira: América 4 x 1 Palmeiras e Corinthians 2 x 0 Guarani.Nico Gonçalves foi o delegado que prendeu o zagueiro argentino Desábato, em pleno Morumbi, por ofensas racistas contra o atacante Grafite na partida entre São Paulo e Quilmes, pela Copa Libertadores, em abril. Ele também é auditor do TJD. A comissão tem prazo de 15 dias, prorrogáveis por mais 15, para concluir os trabalhos.Apesar de oficialmente o presidente da FPF, Marco Polo Del Nero, ter dito nos últimos dias que não havia pressa em formar a comissão ? ?não queremos atropelar o trabalho do Ministério Público?, alegou ?, o fato é que a entidade encontrou dificuldade para montar o grupo. Inicialmente, foram convidados ex-árbitros que atualmente trabalham como comentaristas na televisão. Mas eles foram aconselhados por suas emissoras a não aceitarem a tarefa. As negativas foram responsáveis pelo atraso na formação da comissão, definida nesta quarta-feira, mas que continua incompleta. O ex-árbitros Teodoro de Castro Lino (RJ) e Sidrack Marinho dos Santos (SE) foram convidados e aceitaram. Os outros membros devem ser designados nesta quinta pela Associação Nacional dos Árbitros de Futebol (Anaf) e pela Associação dos Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo.A entidade dos jornalistas irá analisar se é conveniente participar da apuração. A Anaf aceitou o convite. ?Mas acabo de recebê-lo e vou estudar os nomes de alguns ex-árbitros para ver qual a melhor alternativa??, disse o presidente da entidade, José de Assis Aragão.A FPF também criou uma corregedoria da escola de árbitros, que será dirigida por um delegado aposentado: Bento da Cunha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.