FPF propõe chips para os torcedores

A Federação Paulista de Futebol (FPF) vai apresentar na próxima semana uma resolução com medidas para combater a violência e garantir a segurança nos estádios. Uma das propostas avaliadas é o monitoramento eletrônico dos integrantes de torcidas organizadas, com a distribuição de chips para cada torcedor. O estudo prevê ainda a divisão em 12 alas do anel superior do Morumbi. ?Eu também quero ter o meu chip, pois isso vai permitir que minha família e a polícia saibam onde estou a qualquer momento?, disse o presidente da FPF, Marco Polo Del Nero. Em entrevista após depoimento sobre o escândalo da arbitragem na Comissão de Turismo e Desporto da Câmara, nesta quinta-feira, em Brasília, o dirigente revelou que a proposta, por enquanto, é apenas um ?estudo? que será apresentado à Secretaria de Segurança Pública do Estado, ao Ministério Público e às polícias. A proposta deverá ser discutida também com os representantes da Gaviões da Fiel (Corinthians), Independente (São Paulo), Força Jovem (Santos) e Mancha Verde (Palmeiras), torcidas organizadas dos principais clubes paulistas.O esquema - Além do ingresso, o integrante da torcida organizada teria que apresentar em catracas especiais instaladas nos estádios um cartão com o chip eletrônico. A FPF não ficaria com os registros pessoais do torcedor. Caberia à policia rastrear os chips.O dirigente esclareceu também que o chip, já adotado na Inglaterra, seria apenas uma de muitas medidas de combate à violência nos estádios ede garantia de maior segurança para os torcedores. Del Nero calcula que cada equipamento deste custaria cerca de R$ 5,00. ?A medida permitiria aos órgãos desegurança delimitar a área específica em que o torcedor ocupará na arquibancada?, explicou Del Nero. ?Não vejo problema para cidadãos de bem usarem o chip.?Outra medida - Já o anel superior do Morumbi, atualmente separado em quatro alas, seria dividido com grades em espaços de até dois mil lugares. Isso, de acordo com Del Nero, facilitaria o controle das torcidas organizadas, permitindo que torcedores de times visitantes possam assistir aos jogos no estádio do adversário. ?Não há policiais suficientes para deter um grupo de dez mil torcedores?, justificou o presidente da FPF.

Agencia Estado,

27 de outubro de 2005 | 17h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.