FPF vai ouvir árbitro do jogo do Corinthians antes de puní-lo

Os jogadores, comissão técnica e os torcedores do Corinthians deixaram o Estádio do Pacaembu bastante irritados nesta quarta-feira. Claro que com a derrota por 1 a 0 para o São Caetano, mas protestando principalmente da atuação do árbitro Otávio Corrêa da Silva. Ele expulsou três jogadores alvinegros e o lance com Marcelo Mattos foi exagerado.A jogada com o volante aconteceu aos 24 minutos do primeiro tempo. Mattos, que já tinha um cartão amarelo por causa de uma falta, chutou uma bola que estava em campo e logo na seqüência recebeu outra, a que estava em jogo. O árbitro, neste instante, parou a partida e o jogador reclamou. Resultado: recebeu o segundo amarelo e, conseqüentemente, o cartão vermelho.?Apenas tirei uma bola para evitar que me machucasse. Dominei a outra e puxaria um contra-ataque, não fiz nada mais?, reclamou Marcelo Mattos, indignado com a expulsão. Magrão fez coro. ?O árbitro disse que esta expulsão está na regra. Inadmissível.? Emerson Leão fez questão de esperar Otávio Corrêa descer para os vestiários. O árbitro demorou. Passou pelo treinador sem olhar para o lado e amparado pela Polícia Militar. Leão, com os braços cruzados, apenas o mirou, desconsolado. Depois, balançou a cabeça, negativamente, e disse que quem tem de falar algo é ?o coronel.? "Não estou justificando derrota nenhuma, porque o jogo foi lamentável. Mas o Coronel que cuida da arbitragem, que é uma pessoa inteligente, tem que tomar providência. Não adianta fazer pré-temporada na Academia do Palmeiras, isso não adianta nada", falou Leão, na entrevista coletiva no vestiário.O major Marcos Marinho, diretor da Comissão de Arbitragem da FPF, falou: "faltou um pouco de tarimba ao meu árbitro. Ele não soube levar a partida, faltou percepção do jogo neste momento. Não deveria ter expulsado o Marcelo Mattos", disse rapidamente em entrevista ao programa SporTV News. "Vou procurar saber dele qual foi o motivo da expulsão", comentou, ao ser questionado se punirá Silva. (M.P.Jr.)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.