Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

FPF vai padronizar testes em um mesmo hospital e examinar 40 pessoas de cada clube

Retorno do Estadual deixa dirigentes em alerta e obriga time mandante a concentrar informações sobre exames

Ciro Campos, Raul Vitor, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2020 | 05h00

O cuidado com as instalações dos estádios não será o único foco da Federação Paulista de Futebol (FPF) para o retorno do Estadual, a partir da próxima quarta-feira. Aliás, os exames médicos nas equipes, testes para o novo coronavírus e controles de sintomas serão as etapas mais fundamentais para garantir o retorno seguro do futebol.

Segundo o diretor médico da entidade, Moisés Cohen, para assegurar um maior grau de sensibilidade e de padronização, todos os jogadores e membros da comissão técnica serão testados pelo mesmo local, o hospital Albert Einstein. "O teste para covid-19 no Campeonato Paulista é padronizado. Todas as equipes realizaram exames no Einstein. O hospital está bancando cerca de 40 testes por clube. Não há diferenciação de técnica", explicou.

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) vai realizar o mesmo procedimento de padronizar os testes e de centralizá-los todos no Albert Einstein, como antecipou o Estadão na última semana. Isso valerá para o Brasileirão da Série A e também outras categorias, seja as Séries B, C e D, competições femininas, Copa do Nordeste e campeonatos sub-20.

Para aumentar a segurança, a FPF recomenda que os clubes não se contentem apenas em fazer testes, mas sim meçam a temperatura dos atletas e apliquem também questionários para verificar possíveis sintomas. "É claro que o teste é útil, mas não é ele sozinho que baterá o martelo, é o conjunto da obra", comentou o diretor médico.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
É claro que o teste é útil, mas não é ele sozinho que baterá o martelo, é o conjunto da obra
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Moisés Cohen, Diretor médico da FPF

Dos times participantes, quem teve uma quantidade maior de infectados foi o Corinthians, com mais de 20 casos confirmados. O meia colombiano Cantillo inclusive será desfalque na rodada de retorno justamente para cumprir quarentena. O consultor médico do clube, Joaquim Grava, afirmou que o número elevado de contaminações é resultado de uma testagem mais sensível do que a feita por demais equipes.

Na opinião dele, só o teste não garante a liberação de um jogador para atuar. "O fato de você testar em um sábado não significa que domingo, segunda ou terça o jogador não possa se infectar", comentou. Nas semanas anteriores, as equipes realizaram testes organizados pelos próprios departamentos médicos e com a utilização de materiais fornecidos por diferentes empresas.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
O fato de você testar em um sábado não significa que domingo, segunda ou terça o jogador não possa se infectar
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Joaquim Grava, Consultor médico do Corinthians

Quem for o mandante dos jogos terá o papel de organizar os dados coletados no testes prévios. O primeiro clube a ter essa missão é o Ituano. "A responsabilidade nossa é de conduzir os testes e enviar para a Federação as evidências. Temos de cuidar do confinamento da equipe, receber os dados do time adversário (Ferroviária) e enviar tudo para a Federação. Isso tudo antes de começar o jogo", explicou o gestor do Ituano, Paulo Silvestri.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.