FPF vê apostas como 'fenômeno global' e vai ajudar na investigação

Em nota, entidade paulista diz que vai ajudar promotores

Estadão Conteúdo

09 Março 2016 | 19h31

Pouco depois de Ministério Público de São Paulo confirmar que pedirá à Polícia Civil a abertura de inquérito para investigar possível manipulação de resultado envolvendo a partida entre Rio Preto e Barueri, disputada em 11 de fevereiro, pelo Campeonato Paulista da Série A3, a Federação Paulista de Futebol (FPF) soltou nota oficial para comentar o problema e prometeu colaborar com as investigações do caso.

A entidade, porém, não entrou em detalhes sobre o episódio ocorrido na competição que está sob sua chancela e não anunciou nenhuma punição em relação ao Barueri, após dois jogadores do time terem relatado que a equipe recebeu proposta financeira para perder o jogo diante do Rio Preto por 4 a 0, que acabou sendo o resultado da partida.

A FPF apenas ressaltou que "a manipulação de resultados é um fenômeno global, e todos os campeonatos e clubes do mundo, infelizmente, estão sujeitos a conviver com este tipo de prática". "Grandes ligas do planeta já foram centro de escândalos de manipulação e buscam, por tal razão, adotar medidas preventivas e combativas que buscam proteger suas competições", continuou a entidade, na nota oficial.

Em seguida, a FPF lembra que criou, no final do ano passado, um Comitê de Integridade, "cujo objetivo é prevenir e inibir possíveis delitos que envolvam o esporte". "O Comitê é formado por seis membros de diversas entidades que analisam indícios e denúncias, além de orientar árbitros a relatar possíveis condutas suspeitas de atletas e comissões técnicas. Paralelamente, no início do ano, a FPF firmou parceria com a SportRadar, empresa especializada em monitorar possíveis manipulações em resultados, que faz varreduras em casas de apostas para identificar movimentos suspeitos. Havendo casos que despertem atenção, eles são relatados à FPF", enfatizou a nota, que depois enfatizou que essas medidas "foram destacadas pela Interpol (Polícia Internacional) em seu informativo semanal mais recente".

Para encerrar, a FPF falou de forma superficial sobre sua atuação no combate a este tipo de prática ilegal no futebol paulista. "Preocupada em evitar este tipo de delito nas competições do Estado, a FPF também está em sintonia com a Justiça Desportiva e com o Ministério Público. Temos colaborado ativamente com as autoridades para que todas as denúncias sejam apuradas e esclarecidas o mais breve possível".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.