David Vincent/AP
David Vincent/AP

França aposta na juventude e talento diante da Austrália na estreia

Seleções se enfrentam neste sábado, às 7h, na cidade de Kazan, pelo Grupo C

Gabriel Melloni, O Estado de S.Paulo

16 Junho 2018 | 00h00

Jovem e talentosa, a seleção francesa chegou à Rússia como uma das favoritas e tentará provar isso neste sábado, quando estreia na Copa do Mundo diante da Austrália, às 7h (de Brasília), na cidade de Kazan, pelo Grupo C. A aposta do país para passar por uma chave considerada relativamente fácil é a renovada geração, que já veste as camisas de alguns dos principais clubes da Europa.

+ Treinador da Austrália admite inferioridade contra França e espera ter 'sorte'

+ Presidente da federação vê França em progresso, mas diz: 'Não somos favoritos'

+ Autor de gol histórico, Aloisi acredita em surpresa australiana na Copa do Mundo

Se confirmar a escalação prevista para a estreia, o técnico Didier Deschamps levará a campo uma formação com média de idade de 24 anos. Somente um dos 11 titulares tem mais de 30 – o goleiro Lloris (31) – e outros dois estão acima dos 25: o volante Kanté e o atacante Griezmann (ambos com 27 anos).

É pelos pés de Griezmann que passa a maior esperança de gols da França. Deschamps deve optar por lançar Dembélé no lugar do centroavante Giroud, o que transformará o atacante do Atlético de Madrid no principal artilheiro francês em campo. Em função semelhante, Griezmann correspondeu na Eurocopa de 2016, ao terminar como artilheiro da disputa na até hoje chorada campanha do vice-campeonato do país.

O jogador também não poderá reclamar de falta de talento ao seu redor. Afinal, as principais peças do elenco francês estão do meio de campo para frente. Griezmann será municiado por duas das maiores revelações recentes do país: os atacantes Mbappé, parceiro de Neymar no Paris Saint-Germain, de 19 anos apenas, e o próprio Dembélé, do Barcelona, que tem 21.

 

Mas, se tem seus talentos aplaudidos de pé pelo resto do mundo, é justamente na França que a seleção encara a maior desconfiança. As oscilações de desempenho ao longo dos últimos anos e as críticas a Deschamps fizeram com que nem mesmo a própria federação nacional de futebol considerasse o país favorito ao título na Rússia.

“A seleção da França está progredindo, mas não acho que é o melhor time do mundo hoje”, diz o presidente da entidade, Noel Le Graet. “Estamos perto dos favoritos, que são Alemanha, Brasil, Espanha e Argentina”, completou o dirigente, deixando de lado a própria seleção.

Ao menos neste primeiro teste, nem mesmo o mais pessimista torcedor francês deve acreditar em derrota. Afinal, a Austrália teve muita dificuldade nas Eliminatórias Asiáticas e só chegou à Copa graças à repescagem. Para piorar, viveu uma troca de comando após a classificação e ainda não convenceu sob a batuta do holandês Bert van Marwijk. É a franco-atiradora do Grupo C, que conta ainda com Dinamarca e Peru.

O próprio Marwijk confessou na sexta-feira que sua seleção terá pouca chance de vitória. Vice-campeão mundial em 2010 com a Holanda, o treinador esbanjou sinceridade ao projetar o duelo. “Se jogarmos dez vezes contra a França, talvez perderíamos oito ou nove jogos. Trabalhamos duro para chegar em uma situação em que sofreríamos só cinco ou seis derrotas, com algumas vitórias e empates. Também é preciso ter um pouco de sorte”, disse.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.