Christophe Petit Tesson/EFE
Christophe Petit Tesson/EFE

França espera que Neymar promova 'revolução' na economia do futebol nacional

Chegada do craque gera uma correria nos últimos dias de advogados e empresários para rever contratos do futebol mundial

Jamil Chade, correspondente na Suíça, O Estado de S.Paulo

04 de agosto de 2017 | 07h05

Quando Neymar for apresentado aos torcedores do PSG, neste sábado, do outro lado do campo estará uma equipe cujo orçamento anual representa apenas 10% do contrato assinado pelo brasileiro. O Amiens sabe da diferença brutal que o modesto time tem em relação à fortuna do Catar. 

Mas, paradoxalmente, o tom de seus jogadores e treinador com o reforço do adversário é de comemoração. "Para a Ligue 1, é extraordinário", disse Christophe Pelissier, técnico do time que, em 2016, tinha um orçamento de apenas 8 milhões de euros (R$ 29,4 milhões). Mathieu Bodmer, capitão do time, também celebra a nova fase. "Eu quero estar num campeonato onde os melhores estejam jogando", afirmou. "Com Neymar, haverá um impacto econômico, venda de camisas, turismo. E sua chegada facilitará a vinda de outros craques também", disse.

A realidade é que a chegada de Neymar, no lugar de criar tensões, é vista, por enquanto, como uma salvação para um campeonato francês que não conseguia competir em visibilidade, marketing e renda com o de seus vizinhos. Enquanto o PSG e seus advogados se apressavam nos últimos dias para acertar os últimos detalhes de um contrato histórico, nos bastidores eram donos de televisões, empresários e departamentos inteiros de marketing que proliferavam ligações e reuniões para tentar definir a dimensão econômica da nova contratação e rever contratos pelo mundo. 

Considerado como um "Beckham 2.0", Neymar tem uma dimensão no mundo do futebol, nas redes sociais e no mundo da publicidade que nenhum outro jogador do clube pode sonhar. Somando todas as redes sociais, Neymar chega a 169 milhões de pessoas a cada mensagem enviada, superior a todo o time do PSG reunido. 

O próprio Amiens se deu conta dessa dimensão. Nesta semana, o clube viu uma mensagem que postou nas redes sociais ganhar dimensão inédita, compartilhada mais de 9 mil vezes. Nela, o time brincava com a chegada de Neymar e sugeria que ele tomasse a decisão mais tarde, depois do jogo do modesto time do interior da França com o PSG. 

É essa dimensão inédita de publicidade que tanto o PSG quanto a Ligue 1 querem agora capitalizar. 

Mas não é apenas no mundo virtual que a Ligue 1 espera ganhar. Para Didier Quillot, diretor geral da Liga de Futebol Profissional da França (LFP), o brasileiro é "Ibrahimovic à décima potência" e tem o potencial de levar um número maior de pessoas diante da televisão num dia de jogo e trazer ao estádio aqueles que ainda hesitam. 

Hoje, os estádios do campeonato local contam com apenas 67% de suas arquibancadas lotadas, um número muito inferior ao que se registra na Alemanha ou Inglaterra. Mas é na TV que a Ligue 1 espera dar um salto inédito e que poderia beneficiar a todos. Nos próximos meses, a direção do campeonato fará uma licitação para redes de todo o mudo que queiram adquirir os direitos para transmitir as temporadas de 2020 e 2021. Agora, com Neymar, essa licitação promete atrair novos interessados e inflacionar o preço. 

Hoje, a transmissão da Ligue 1 rende à entidade meros 80 milhões de euros (R$ 294, 7 milhões) por ano com sua difusão no exterior. O valor é considerado como insignificante diante dos mais de 1 bilhão de euros (R$ 3,6 bilhões) que arrecada a Premier League.  Agora, a LFP quer mudar essa realidade e já busca formas de promover o campeonato francês no exterior. O Estado apurou que o foco será principalmente a Ásia e a América Latina, regiões onde Neymar conta com uma grande popularidade.

A ideia é de que, se esses contratos forem renovados com novos valores, todos ganharão. Internamente, as redes também prometem uma guerra cada vez maior para fechar com a Ligue 1. O próprio PSG reiniciará uma negociação sobre seus contratos de patrocínio e ninguém tem ilusões que o "fator Neymar" vai mudar os valores sobre a mesa. "Não podemos ter um melhor embaixador que Neymar para nosso campeonato", disse Nathalie Boy la Tour, a presidente da LFP. Para ela, o impacto dessa "revolução" trará benefícios a todos.

DÚVIDAS

Mas o entusiasmo não é compartilhado por todos. Jean Michel Aulas, presidente do Lyon, alertou para a "perigosa bolha" que pode estar sendo criada no futebol francês. Além de Neymar, o Monaco também criou sensação ao trazer Kylian Mbappe. "Sabemos que Neymar pode tornar a Ligue 1 extremamente visível e o impacto é real nos contratos de TV", disse. 

Mas ele teme uma diferença cada vez maior entre alguns poucos clubes franceses e o restante do campeonato, que apenas lutará para não cair. "Isso pode criar sérios danos para os demais e tais valores apenas contribuem para uma bolha perigosa", disse. 

Do outro lado da fronteira, o presidente do Bayern de Munique, Uli Hoeness, também fala de bolha. "Eu me recuso em participar de tal loucura", disse. "Os dirigentes precisam se questionar se tudo isso é aceitável e racional", insistiu. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.