França quer evitar favoritismo

O técnico Roger Lemerre, da seleção francesa, tem uma grande preocupação para a partida deste domingo contra o Japão, na final da Copa das Confederações: convencer seus jogadores que o time não é tão favorito quanto a imprensa especializada faz acreditar. ?Não podemos nos esquecer que o time do Japão é muito bem armado; está muito motivado e vai jogar diante de sua torcida?, disse o treinador. A advertência, no entanto, soa apenas como formalidade, já que o favoritismo francês é flagrante. Depois do título mundial de 98, a França venceu a Eurocopa 2000; assumiu a liderança no ranking da Fifa e, no último confronto contra o Japão, em março deste ano, venceu por 5 a 0.Para o time Japão, que é dirigido por Philippe Troussier, uma vitória ou uma derrota fará pouca diferença, já que a campanha na Copa das Confederações já superou todas as expectativas: ficou em primeiro lugar no grupo B, onde estava o Brasil e nas semifinais bateu a Austrália por 1 a 0. A mesma Austrália que na fase de classificação venceu a França por 1 a 0. A disputa pelo terceiro lugar na Copa será amanhã, entre Brasil e Austrália, na cidade de Ulsan, na Coréia do Sul.

Agencia Estado,

08 de junho de 2001 | 09h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.